Um exemplo: com apenas um ano de treino, Raquel Correia sagrou-se campeão nacional de natação adaptada
Publicidade

“Uma força da natureza”. É assim que a Câmara Municipal de Olhão classifica Raquel Correia, jovem que no último fim de semana se sagrou campeã nacional de natação adaptada nos 50 metros mariposa e 200 metros livres.

O feito torna-se histórico por a atleta de Olhão, portadora de deficiência auditiva (S15), ter apenas um ano de aprendizagem. Só aos 22 se juntou à equipa da Associação Cultural e Desportiva Colégio Bernardette Romeira (ACDCBR), que representou no Campeonato Nacional de Inverno de Natação Adaptada, entre 5 e 6 de março, em Vila Real de Santo António.

Depois de derrubar barreiras físicas (no processo de treino diário) e psicológicas, a nadadora apresentou-se ao melhor nível numa prova repleta de campeões e campeãs com problemas motores, doenças mentais, surdez, cegueira ou paralisia cerebral.

Dificilmente a estreia poderia correr melhor: além de dois títulos nacionais, Raquel Correia sagrou-se ainda vice-campeã nos 50 e 100 metros Livres e alcançou cinco novos recordes pessoais, tendo ficado a 1,1 segundos dos Recorde Nacional aos 50 metros Mariposa, a sua técnica favorita. A matriz do sucesso tem outro nome, o professor Nuno Caetano, coordenador e responsável do clube que aceitou o desafio de fazer uma campeã.

 

A atleta é natural de S. Brás de Alportel, mas reside em Olhão, onde treina diariamente com os seus colegas de natação pura. A próxima etapa passa por obter os mínimos que permitam participar nos campeonatos da Europa de natação adaptada.