Publicidade

A Câmara Municipal de Coimbra promove, até ao final do ano, um conjunto de visitas guiadas a jardins, monumentos e ruas, propondo percursos relacionados com o património edificado e com figuras e vivências da cidade.

O programa, que começou no início do mês, prossegue esta quinta-feira com o “Roteiro de Coimbra – Órgãos”, um dos seis novos temas, que convida os visitantes a conhecerem as três igrejas de Coimbra que possuem órgãos de tubos – Sé Nova, Misericórdia e Santa Cruz -, realçando aspetos que vão da construção à finalidades desses instrumentos, em diferentes épocas.

Na sexta-feira, 18 de março, é dia de visitar a Coimbra de António Nobre, um dos muitos escritores que passaram pela cidade. Segue-se Eça de Queirós, a 14 de outubro, data que evoca a sua primeira matrícula na Universidade de Coimbra, em 1861, e Miguel Torga, visita que destaca a sua obra A Criação do Mundo e que decorre no dia do seu nascimento, 12 de agosto.

A 21 de março, Dia Mundial da Árvore, é a vez de passear pelo Parque Verde do Mondego, no âmbito das “Vivências nos Jardins”, que, até outubro, vai explorar os “pulmões” da ‘cidade dos estudantes’, abordando temas sobre a botânica, a fauna, as lendas, a história e as características artísticas e arquitetónicas de cada um destes espaços. Um mês depois, 21 de abril, a Quinta das Lágrimas. O Jardim da Sereia (24 de maio, Dia Europeu dos Parques Naturais), Lapa dos Esteios (7 de setembro) e Av. Sá da Bandeira, 17 de outubro).

No dia 22 de março chega o convite para visitar a fonte mais famosa de Coimbra, a dos amores, na Quinta das Lágrimas, e muitas outras que, estando ou não em funcionamento, marcam a história da cidade. A iniciativa repete-se no dia 5 de abril, 9 de agosto e 27 de outubro.

Recordar a Irmã Lúcia é a proposta para dia 24 de março, com visita ao Memorial, onde um vasto espólio desvenda o percurso da vidente de Fátima, num espaço contíguo ao Carmelo de Santa Teresa de Jesus, um dos locais em que seguiu a vida religiosa de contemplação. Quem não puder ir neste dia pode optar pelo 12 de maio, 19 de agosto ou 13 de outubro.

No dia 28 de março, Dia Nacional dos Centros Históricos, os visitantes são convidados a descobrir as artérias menos percorridas da emblemática Baixa de Coimbra, uma iniciativa que se repete a 26 de maio, 25 de agosto e 20 de setmebro.

No mesmo dia, mas à tarde, pode conhecer a antiga linha de muralha da cidade no âmbito do tema “O Castelo e a Muralha de Coimbra”, que prossegue a 6 de maio, 14 de julho e 7 de outubro (Dia Nacional dos Castelos).

A programação de março encerra no dia 29, com uma viagem pelas vivências académicas e pela Canção de Coimbra que começa na Alta, Património da Humanidade, percorre várias repúblicas de estudantes e termina no Núcleo da Guitarra e do Fado de Coimbra – Torre de Anto. Para 7 de julho está marcada nova visita.

De Pedro e Inês a D. Afonso Henriques

Entre os temas que compõem as visitas guiadas à cidade de Coimbra inclui-se ainda “Arquitetos e Arquitetura Contemporânea”, que a 18 de maio -Dia Internacional dos Museus – e 16 de novembro vai recordar o legado arquitetónico e os profissionais que fizeram escola na arquitetura contemporânea. No dia 6 de julho, “Uma Cidade Três Santos”, no Mosteiro de Santa Cruz, vai enfatizar a ligação da vida e obra de Santo António, S. Teotónio e da Rainha Santa Isabel àquela casa monástica.

Além da Irmã Lúcia, o programa segue o rasto de outros grandes nomes da vivência coimbrã, com alguns locais de referência que marcaram a sua relação com a cidade. É o caso da visita dedicada a Santo António, franciscano de Coimbra, a 30 de maio e 14 de junho, que proporciona um périplo desde a escadaria à igreja de Santo António dos Olivais, e da visita dedicada à Rainha Santa Isabel (padroeira da cidade), que integra passagens pelo Mosteiro de Santa Clara-a-Nova – igreja, sacristia, claustro e coro-baixo – nos dias 1 e 9 de julho, no ano em que se comemora 500 Anos da Beatificação da Rainha Santa Isabel.

“Coimbra Um Outro Olhar” (18 de abril, 1 de junho, 3 de agosto e 30 de setembro) consiste num percurso na Alta de Coimbra que destaca o contexto histórico, arquitetónico e sociocultural da zona, assim como a evolução toponímica e algumas das suas vivências e tradições populares e académicas, pelo que se associa ao percurso a vida e obra de personalidades como Aristides de Sousa Mendes, Eça de Queirós, João José Cochofel ou António Nobre.

O património edificado e mobiliário urbano ligado à Arte Nova vai estar em destaque no tema “A Arte Nova em Coimbra”, nos dias 20 de maio e 30 de agosto. As vivências, tradições e aspetos patrimoniais edificados e imateriais da cidade vão ser abordados na visita “Tesouros de uma Cidade Património”, prevista para o dia 7 de abril.

A indústria de Coimbra é o mote para a visita “Memória Industrial de Coimbra”, a 18 de abril (no âmbito do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios) e 19 de outubro. Já a visita ao “Mosteiro de Santa Maria de Celas”, nos dias 12 de abril, 5 de setembro e 30 de outubro, vai permitir aos visitantes conhecer uma obra cisterciense, que integra a visita à igreja, sacristia, coro, sala do capítulo e claustro.

A visita ao “Panteão Nacional” (Igreja de Santa Cruz), onde está o primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, é a proposta para os dias 1 e 15 de abril, 6 e 20 de maio; 17 de junho, 1 e 15 de julho, 5 e 19 de agosto, 2 e 16 de setembro, 14 e 28 de outubro, 11 e 25 de novembro e 9 e 23 de dezembro.

Não poderiam faltar os amores de D. Pedro e D. Inês de Castro, marco lendário na história da cidade, lembrados nos dias 9 de junho e 1 de setembro, através da visita “A Paixão de Pedro e Inês”, que vão permitir reviver os locais do romance e visitar os pontos menos explorados e conhecidos pelo público em geral.

A época de Natal é o mote para a visita “Sob o Signo da Natividade”, no dia 16 de dezembro, percorrendo algumas representações da cena da “Natividade” erguidas em diferentes suportes materiais e com recurso a técnicas distintas, que existem em espaços como a Sé Nova, a Igreja do Salvador e o Museu Nacional de Machado de Castro.

Todas as visitas programadas têm início às 15:00 horas, com exeção da que se realiza no dia 28 de março, às 10:00 (“À Descoberta da Baixa de Coimbra II”) e “Coimbra, Um Outro Olhar”, a 18 de abril, à mesma hora, por ocasião das comemorações do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios.

Todas as visitas são de acesso gratuito, exceto as que implicam a entrada em monumentos cujo acesso é pago, nomeadamente, o Mosteiro de Santa Maria de Celas (1,00€), o Memorial Irmã Lúcia (1,00€), o Convento de Santa Clara-a-Nova (5,00€) e a Casa-Museu Miguel Torga (1,70€).

As visitas implicam inscrição, através dos telefones 239702630 ou 239857500, e são dirigidas a todas as faixas etárias (público geral), implicando a participação de um mínimo de dez e um máximo de 30 participantes.