Fotografia: CNB
Publicidade

“A nossa reação, como se fosse uma coreografia espontânea, entreabre-nos os lábios, descai-nos o queixo, arregala-nos os olhos e crispa-nos o corpo, deixando-o em irremediável alerta total. É essa estupefação, por mais fugaz e imprevisível que seja, que qualquer artista ambiciona provocar no seu leitor, no seu ouvinte, no seu público. É, igualmente, pela promessa da sua existência que um bailarino está disposto a trabalhar o corpo até conseguir, talvez, virá-lo do avesso”.

As palavras são da diretora artística da Companhia Nacional de Bailado (CNB), Luísa Taveira, e apresentam o espetáculo Esta Tarde, Adília Lopes, que vai realizar-se no dia 2 de abril no Teatro Camões, em Lisboa, onde durante duas horas a poesia e a dança vão andar de mãos dadas.

Trata-se de uma maratona de improviso e leituras em que os corpos e as palavras prestam homenagem àquela cujas palavras inspiraram o programa 2015/2016, a poetisa Adília Lopes, que faz anos em abril.

Mais de 30 convidados, entre os quais a fadista Gisela João, vão ler poemas e dizer o que, porventura, melhor poderá homenagear a sua poesia. Cláudia Jardim vai ser a maestrina desta tarde e “vai-nos fazer dançar ao ritmo das suas leituras.”, garante a CNB. O espetáculo vai decorrer entre as 17:00 e as 19:00 horas e a entrada é gratuita.