Miguel Arraiolos, João Pereira e Melanie Santos, acompanhados pelo técnico nacional, Lino Barruncho

Os triatletas portugueses João Pereira, Miguel Arraiolos e Melanie Santos aterraram ontem à noite no aeroporto da Portela, em Lisboa, após seis semanas de digressão competitiva pela Oceânia. O trio português chegou acompanhado pelo técnico da Federação de Triatlo de Portugal, Lino Barruncho, e todos fazem um balanço positivo deste périplo pelos Emirados Árabes Unidos, Austrália e Nova Zelândia que, no caso de Melanie Santos e Miguel Arraiolos, serviu para conquistar pontos com vista ao apuramento para os Jogos Olímpicos Olímpicos do Rio de Janeiro.

João Pereira, virtualmente qualificado, tinha como principal objetivo testar soluções que lhe permitam pensar num bom resultado nos Jogos. Com uma medalha de bronze na Taça do Mundo de Mooloolaba, o português fala em seis semanas “muito positivas”.

“Trabalhámos duro e mesmo que os resultados competitivos não fossem excelentes, consegui fazer aquilo a que me tinha proposto: treinei com adversários directos no circuito, competi sem pressão e fiz experiências, de treino e alimentação, que me vão ajudar a perspetivar a fórmula certa para os Jogos Olímpicos”, revela.

Durante um mês e meio, João Pereira, Melanie Santos e Miguel Arraiolos trabalharam intensamente na base australiana de Noosa, mas os últimos dois participaram em mais provas, ao todo duas etapas da World Triathlon Series e duas etapas da Taça do Mundo.

Arraiolos teve alguma infelicidade nos resultados, tendo mesmo desistido na WTS da Gold Coast, última prova deste “tour” pela Austrália, mas não lança a toalha ao chão e já pensa na etapa da WTS de Cape Town, na África do Sul, daqui a duas semanas.

“As coisas não correram da melhor forma em termos de resultados mas, de resto, valeu bem a pena. Trabalhámos de uma forma que não teria sido possível em Portugal. É certo que perdi alguns lugares no ‘ranking’ e já não estou tão confortável, mas vou voltar forte para a prova da África do Sul”, garante o atleta.

Melanie Santos foi a que mais ganhou do ponto de vista de resultados, tendo evoluído positivamente na classificação de todas as provas em que participou, culminando num 11º lugar na WTS da Gold Coast que a coloca mais perto dos Jogos Olímpicos do Rio. “Tive um pouco mais sorte nos resultados, e sim, o sonho dos Jogos está sempre presente, mas com os pés bem assentes na terra pois uma qualificação olímpica não é fácil”, confessa.

O treinador nacional, Lino Barruncho, não poupa elogios a Melanie Santos, mas impõe cautela. “Encontrámos as dificuldades esperadas, toda a gente muito focada nos Jogos e muita gente a tentar o tudo por tudo para estar presente no Rio. A Melanie era a que precisava mais de resultados e correspondeu da melhor maneira. Fez tudo o que lhe pedimos e os resultados apareceram. Subiu 17 lugares no ‘ranking’ olímpico e agora tem à frente dela a Lisa Norden, que foi ‘apenas’ medalha de prata em Londres 2012. Não será fácil, mas tudo ainda é possível”, diz o técnico.