Os designers Marta de Menezes e Pedro Miguel Cruz vão representar Portugal na 1.ª Bienal de Design de Londres, que começa esta quarta-feira, com uma exposição sobre sexismo produzida pela associação alentejana Cultivamos Cultura.

Os dois artistas foram escolhidos pelo curador da exposição, Manuel Lima, designer, autor e investigador, membro da Royal Society of Arts de Londres e considerado pela revista americana Creativity uma das 50 mentes mais criativas e influentes de 2009.

Em declarações à agência Lusa, Lima revelou que nesta exposição Marta de Menezes e Pedro Miguel Cruz vão misturar arte, `design` e ciência, para “retratar um tema opaco, mas corrosivo na sociedade portuguesa: o sexismo”.

A mostra é composta por quatro mapas que “contrastam disparidades de género em áreas como salários e ensino superior”, sendo que dois mapas são “visualizações animadas e geradas por computador, que extrapolam um futuro distópico, baseado em tendências espirais descendentes”, precisou o designer.

“Os outros dois mapas usam elementos biológicos (plantas, vírus e bactérias) para representar uma nação utópica revigorada, caracterizada por indicadores socioeconómicos progressistas”, explicou Manuel Lima, referindo que “a utopia é transmitida pelos vários mapas igualitários e pelo uso de elementos naturais como instrumentos para a visualização de dados”.

O tema da 1.ª Bienal de Design de Londres é “Utopia by Design”, que de acordo com a organização é uma homenagem aos 500 anos da obra do filósofo inglês Thomas Moore, que esteve na origem do conceito de utopia. Esta iniciativa pretende levar os participantes de vários países a explorarem de que forma a arquitetura, o design e a industria podem contribuir para tornar o mundo melhor e as cidades lugares mais aprazíveis para se viver.

Nesta primeira edição, a organização da Bienal lançou o convite a mais de 30 países e Portugal vai ter como representante uma plataforma onde os artistas plásticos podem desenvolver e expor o seu trabalho.

A Cultivamos Cultura, com sede na freguesia de São Luís, foi criada em 2009 e desde então tem vindo a dinamizar a comunidade local através da promoção de encontros de artes plásticas, mostras de artes pública com a participação de artistas de renome internacional, bem como promovendo o intercâmbio com artistas locais.

“É uma plataforma para a experimentação e desenvolvimento de conhecimento partilhado na teoria e prática da arte contemporânea, explorando a sua relação com a ciência, tecnologia e ambiente”, revela o gabinete de imprensa da Câmara Municipal de Odemira.

Manuel Lima disse que, “há cerca de dois meses”, a DGArtes mudou de direção e comunicou-lhe que “não poderia continuar a suportar financeiramente” o projeto de participação de Portugal na bienal. Foi nessa altura que o designer contactou a associação Cultivamos Cultura, dirigida por Marta de Menezes, para procurar apoio.

A 1.ª Bienal de Design de Londres vai estar patente entre os dias 7 e 27 de setembro na Somerset House, um dos locais incontornáveis da cultura em Londres.

COMPARTILHAR