Decorreu de 2 a 4 de Setembro, no Caramulo, a XI edição do Caramulo Motorfestival.

IMG_4669
“Nicha” Cabral

Foram mais de 30.000 pessoas que subiram ao Caramulo para ver mais uma edição dedicada ao desporto automóvel. Este ano, “Nicha” Cabral, que apadrinhou a primeira edição do evento, voltou a subir a rampa do Caramulo. Questionado acerca do evento, o primeiro piloto de fórmula 1 português, agora com 82 anos, afirmou que estava a ser muito agradável e que estava a gostar de rever algumas pessoas.

Mas o desporto automóvel não é só para os homens e estiveram em prova várias equipas femininas. Elisabete Jacinto subiu a rampa no seu camião todo-o-terreno e Rosário Sottomayor, a piloto de velocidade mais bem-sucedida em Portugal, fez a prova num Bugatti Type 40 de 1929, o mais antigo carro em prova durante o festival. “O ambiente que rodeia o evento é extraordinário, isto é um autêntico festival”, refere a piloto que veio pela primeira vez ao Caramulo MotorFestival.

“Eu sempre gostei de carros, eu não conseguia perceber porque é que isto tinha de ser um desporto de homens, porque as mulheres são tão ou mais competitivas do que os homens. Quando estamos atrás do volante somos todos pilotos. Não há nem homens, nem mulheres, pomos o capacete e somos todos iguais, e aí conta a nossa habilidade de conduzir melhor ou pior”, sublinha Isabel Coudell Gouveia, piloto do Bugatti Type 40 de 1929, fazendo dupla com  Rosário Sottomayor.

Os vencedores

Pedro Salvador foi o mais rápido de sempre em onze edições do Festival Motorfestival, ao volante de um Norma M20 FC, conseguindo bater o recorde da rampa do Caramulo com um tempo de 01m18,077ss. Em 2º lugar ficou António Nogueira, com um Porsche 911 GT 2.

Foi num Jaguar XKR que a dupla Elizabeth Nobel/Elaine Nobel ganhou o 1º lugar entre as equipas femininas.