O filme Altamira, do conceituado realizador britânico Hugh Hudson, é o grande destaque da edição deste ano do Festival Internacional de Cinema de Foz Côa – Cinecôa, que regressa com um cartaz diversificado e pensado para diferentes públicos. De 17 a 19 de Novembro, o auditório de Vila Nova de Foz Côa vai exibir oito longas metragens, seis curtas e muitos filmes de animação para os mais pequenos.

A longa-metragem é protagonizada pelo espanhol Antonio Banderas e permite um paralelismo entre a caverna de Altamira, conhecida como a Capela Sistina da arte rupestre, e as gravuras do Parque Arqueológico do Vale do Côa. “Não é de forma inocente que abrimos assim o Cinecôa. O filme faz uma grande aproximação entre dois pontos fulcrais da arte rupestre europeia, como são Altamira e Foz Côa”, explica António Valente, membro da organização.

Hugh Hudson, realizador de Momentos de Glória, filme que venceu 4 Óscares da Academia Americana, vai estar presente no Cinecôa para mostrar a sua mais recente obra no dia 17. No dia 18, vai ser exibido o filme-concerto Nosferatu, Eine Symphonie des Grauens, um clássico alemão de 1922 dirigido por Friedrich Wilhelm Murnau. A película vai ser acompanhada, em palco, pela Orquestra do Norte.

O Festival Internacional de Cinema de Foz Côa vai este ano distinguir o português António-Pedro Vasconcelos, realizador de filmes como Jaime, Os Imortais, Call Girl ou Os gatos não têm vertigens, que abriu o Cinecôa na edição anterior. “Vamos homenagear um dos realizadores mais polémicos e com os filmes mais vistos pelo público português. Será exibido o seu último filme – Amor Impossível, seguido de um concerto da filha, Patrícia Vasconcelos, que acaba de lançar um disco”, explica António Valente. A esse momento de tributo vai juntar-se a filha do realizador, Patrícia Vasconcelos, que acaba de lançar um novo disco.

Pelo Cinecôa vão passar ainda filmes recentemente produzidos em Marrocos, Espanha, Reino Unido, França, Luxemburgo, Brasil e Cuba. Organizado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa, o festival realiza-se ininterruptamente desde 2011, ano da sua estreia, e já homenageou ou contou com a presença de figuras marcantes do cinema como Manoel de Oliveira, Lisandro Alonso, Benoît Jacquot, Teresa Vilaverde ou Tino Navarro. A entrada é gratuita e são esperadas cerca de 3 mil pessoas ao longo dos três dias.

COMPARTILHAR