Publicidade

O Teatro das Figuras, em Faro, apresenta no próximo sábado a peça “Antes que Matem os Elefantes”, da coreógrafa e bailarina portuguesa Olga Roriz, um espetáculo que tem como palco a guerra na Síria e alerta para o drama dos refugiados.

“Por onde reabrir caminho, qual o tema, a terra, o objetivo? À procura de nós, dos nossos detritos. Em frente… sempre em frente não olhar para trás. Olhos fechados sem querer pensar, o frio, o medo do frio, a fome.” (Olga Roriz)

“Antes que Matem os Elefantes” começa num registo documental, com vozes de crianças sírias projetadas num ecrã negro ao fundo do palco. Num apartamento em ruínas vê-se um frigorífico destruído e cobertores e colchões sujos de pó que ainda paira no ar.

“Ali em lugar nenhum, lugar perdido, duro, rasgado. Ali, o lugar da ânsia do desconhecido. Memórias de estômago vazio. A escuridão, o corpo colado a outro corpo e a outro e a outro… O filho de encontro ao peito, cobertor às costas e malas, sacos, bonecos, entre uma outra pequena mão de carne e osso. Pés devastados, pisados de cada poeira. As pedras… O céu espesso, um céu aberto e a cabeça a estalar. Já não se sabe da dor, já se perdeu a ira.”

Sete bailarinos começam a dançar: lutam para criar uma ligação entre a vida real e a realidade mediatizada, uma espécie de construção de humanidade, que está a ser ameaçada por condições exteriores.

“A dúvida, a insegurança e a pequenez cansa. Perdido o mínimo poder, perdida a dignidade, cansa. Demolida a última réstia de humanidade, cansa. E porquê eu?”

A peça “Antes que Matem os Elefantes” sobe ao palco do Teatro das Figuras no próximo sábado às 21:30. Os bilhetes para o espetáculo, destinado a maiores de 12 anos, variam entre os 10 e os 12,50 €.