Publicidade

A Culturgest, em Lisboa, vai acolher de 7 a 28 de março um ciclo de quatro conferências sobre as questões ambientais contemporâneas inspirado na encíclica Laudato Si do Papa Francisco.

O ciclo, intitulado “Justiça Ambiental e Ambiente Justo”, vai abordar os principais problemas do mundo e de Portugal nesta matéria e vai “do global ao local e do científico ao ético”, revela Luísa Schmidt, Investigadora Principal no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

A discussão vai partir do famoso documento divulgado pelo líder da Igreja Católica em 2015, no qual Francisco critica o consumismo e o desenvolvimento irresponsável e apela à união das nações para combater as alterações climáticas.

No ano anterior, a jornalista e ativista canadiana Naomi Klein tinha publicado o livro Isto Muda Tudo, sobre a forma como as alterações climáticas alteraram radicalmente a ordem mundial e sobre as relutâncias em pensar o mundo e as sociedades a partir das questões ambientais globais.

Para a investigadora, a encíclica Laudato Si “veio de facto mudar tudo”, surpreendendo mesmo alguns meios católicos menos “avisados”. “A obra é notável de limpidez, profundidade e coragem. De limpidez, porque não faz concessões às exigências científicas dos assuntos dos dias de hoje. De profundidade, porque aborda um conjunto complexo de problemas de forma modelar. De coragem, porque situa no centro desse conjunto problemático o tema da justiça”, sublinha Luísa Schmidt.

Além de debater as grandes questões globais, o ciclo de conferências vai ainda abordar o panorama português. “Como estamos ambiental e eticamente perante estas questões? Numa época em que em todas as escalas o problema ambiental se faz sentir na nossa vida comum e no seu futuro próximo, Portugal tem algumas tarefas consensuais e urgentes à sua frente”, adverte a especialista, que diz ser preciso começar pelos princípios e, com eles, “saber ativar o conhecimento, a comunicação e a participação pública para as mudanças que se avizinham”.

A primeira conferência, no dia 7 de março, tem como tema “Laudato Si. Uma encíclica surpresa para a humanidade e para o planeta”. Segue-se, no dia 14, “Da boa ciência à boa justiça. Problemas de ‘bradar aos céus’ e os caminhos para as soluções”, e no dia 21 “Portugal: mudanças, ruturas e transições”. A última sessão, a 28 de março, vai debater “Da razão e da ação: um futuro para a cidadania ambiental”.

As conferências são de entrada livre e decorrem todas no Pequeno Auditório da Culturgest a partir das 18:30, sendo ainda transmitidas no site www.culturgest.pt. O levantamento da senha de acesso – máximo de duas por pessoa – deve ser feito 30 minutos antes do início da sessão.