Fotografia: PSML
Publicidade

O terreiro em frente ao Palácio Nacional de Sintra vai receber, no fim de semana de 18 e 19 de março, a “Exposição de Camélias e Orquídeas”, que vai permitir observar os melhores exemplares de cada participante.

Os visitantes vão poder comprar camélias e orquídeas, assim como outros produtos derivados destas flores, assistir a demonstrações de técnicas de propagação e poda de camélias e técnicas de propagação, envasamento e manutenção de orquídeas, bem como participar em sessões de degustação de chá.

No sábado, dia 18, vão ser eleitas a melhor espécie de camélia e de orquídea em exposição, o melhor cultivar de camélia e de orquídea em exposição, a melhor mesa em exposição e também o melhor expositor de venda de camélias e orquídeas.

A “Exposição de Camélias e Orquídeas” é organizada pela Parques de Sintra, em colaboração com a Associação Portuguesa de Camélias e o Clube dos Orquidófilos de Portugal, e este ano tem como mote o chá e a camélia de chá, a propósito do projeto de restauro que a empresa Parques de Sintra, que gere o Palácio Nacional de Sintra, está a levar a cabo no Alto do Chá, no Parque da Pena, e cuja primeira fase de recuperação terminou no final de 2016.

Primeira plantação de camélias de chá

O Alto do Chá é conhecido por ter acolhido a primeira plantação de camélias de chá (Camellia sinensis) em Portugal continental, no século XIX. D. Fernando II, marido da rainha D. Maria II, terá cultivado 100 plantas de chá, 28 das quais ainda sobreviveram.

Em 1941, um ciclone provocou a queda de dezenas de árvores e alterou significativamente a composição e densidade do arboreto no Alto do Chá, permitindo o desenvolvimento de espécies invasoras como a acácia. Já em 2013, a serra de Sintra voltou a ser alvo de um violento temporal, que alterou drasticamente esta zona e as condições de desenvolvimento das camélias de chá.

Desde então, a Parques de Sintra começou a retirar as árvores caídas e a restaurar a área. No ano passado foi recuperado o sistema de águas e da rede de caminhos que estrutura o jardim, num percurso ascendente até ao topo do Alto do Chá, de onde é possível fruir de vistas magníficas sobre o Palácio da Pena, a Cruz Alta, o Castelo dos Mouros e as linhas de costa de Cascais e Sintra.

Já este ano, iniciou-se a recuperação das camélias de chá sobreviventes, através de podas de limpeza, revitalização e condução, e a plantação de 500 exemplares de Camellia sinensis, informa a empresa. Para 2018 e 2019 está prevista a plantação de mais mil exemplares, perfazendo um total de 1500. Segundo a Parques de Sintra, o projeto de restauro do Alto do Chá representa um investimento de cerca de 150 mil euros.