Fotografia: CM Alcácer do Sal

Entre Novembro de 2015 e Outubro de 2016 foram criadas 50 novas empresas no concelho de Alcácer do Sal, a maioria na área da hotelaria e restauração. O município alentejano sabe o valor que tem e quer promovê-lo na BTL.

“Voltámos a investir no espaço, com dois stands e em toda a programação privilegiando a gastronomia, o património e a cultura do concelho”, sublinha o presidente da Câmara de Alcácer do Sal, Vítor Proença, que tem “espectativas elevadas” para esta participação naquela que diz ser uma “importante mostra de destinos turísticos”.

Os números dos últimos anos são bons e, segundo o autarca, vieram para ficar, num sector que tem um “grande peso no contexto económico” da região. “Continuamos com indicadores positivos no que respeita ao investimento no concelho”, garante.

Fotografia: CM Alcácer do Sal

19Vítor Proença diz que “tudo fica muito mais facilitado” por este ser “um concelho riquíssimo”, quer do ponto de vista da beleza natural, quer do ponto de vista do património. “Isto sem esquecer as tradições desta gente que tanto tem para mostrar ao mundo”.

Alcácer do Sal é conhecida pelo trabalho dos seus correeiros, que há muito usam o cabedal para produzir calçado, malas e samarras, mas também selas, selins e respectivas guarnições, arreios para cavalos e todo o tipo de apetrechos para caça.

Fotografia: CM Alcácer do Sal

As salinas e os campos de arroz são uma imagem de marca do concelho, que tem ainda como produtos típicos o mel, o azeite, os pinhões, o vinho e a cortiça. A singular Cripta Arqueológica de Alcácer é um museu único que conta histórias com milhares de anos, e há também um cais palafítico, o maior da Europa, no coração da fascinante Reserva Natural do Estuário do Sado.

Trata-se de uma terra antiga, habitada pelo Homem há mais de 40 mil anos. Após a conquista islâmica do reino visigodo, as populações muçulmanas ocuparam a zona alta da povoação, onde ergueram uma estrutura militar básica a que chamaram de al-Qasr, que deriva do termo latino castrum, sinónimo de fortaleza.

Quer saber mais sobre a Bolsa de Turismo de Lisboa? Clique aqui.

COMPARTILHAR