Fotografia: Comité Ollimpico
Publicidade

A participação no Rio2016 é o próximo desafio para o ciclista português David Rosa, depois de um 2015 cheio de atividade. “Foi um ano muito bom, em que dei mais um passo em frente na minha evolução e isso viu-se nos resultados, melhorando nas principais provas internacionais”, entre as quais Taças do Mundo e Campeonatos Europeus, revela o desportista.

Em agosto de 2015, uma queda na Taça do Mundo resultou numa fratura da clavícula e afastou o atleta de cross country da competição. A participação na parte final da época, incluindo o Campeonato Mundial, ficou fora de questão. “No entanto, a recuperação será completa e já estou a treinar regularmente”, conta.

O ciclista português representou Portugal nos Jogos Olímpicos de 2012 e conquistou o 23.º lugar. A participação na prova foi, para David Rosa, o ponto alto da sua carreira até ao momento. Mas há outras conquistas que se destacam, nomeadamente os “nove títulos de Campeão Nacional, algumas Taças do Mundo que correram muito bem e os Jogos Europeus de 2015 em Baku em que sei que estava capaz de discutir os lugares cimeiros”. A sua participação nesta prova foi marcada pelo azar. O ciclista português esteve na liderança da competição, mas a corrente da sua bicicleta saltou, obrigando-o a uma prova em constante recuperação. Acabou por conquistar a décima posição.

Há marcas e conquistas que só são alcançadas com muito trabalho, acredita o atleta. A frequência e intensidade dos treinos dependem da altura do ano, do dia da semana e das provas agendadas. “Prefiro um treino relativamente curto mas com qualidade do que um treino longo em que na prática não estou a melhorar nenhuma qualidade física ou técnica”, explica. As sessões demoram, normalmente, entre uma hora e 40 minutos e duas horas e meia, mas podem chegar às quatro horas. Uma preparação intensa, tendo como objetivo representar Portugal da melhor forma no Rio de Janeiro.