Publicidade

Já distante do centro da vila, o estacionamento em terra marca o início do percurso e o painel descritivo confirma que nos devemos preparar para uma caminhada com cerca de 4,5km. A primeira subida leva-nos a contemplar o horizonte, que nos dias de boa visibilidade se funde com o Atlântico e quase nos abraça em todos os pontos cardeais.

Desviando do percurso traçado para subir à capela, a orografia do terreno choca-nos com a magnificência da paisagem. Observa-se com proximidade a Vila de Cascais, a praia do Guincho, o Cabo da Roca e as praias da Adraga e das Maças.

Para Norte, quase perdido no casario distante, avista-se ainda o Palácio Nacional de Mafra. Com condições meteorológicas favoráveis, é também possível distinguir no oceano a Berlenga, a noroeste, e a sudeste a Serra da Arrábida e o Cabo Espichel.

Estamos em pleno Parque natural Sintra-Cascais e esta área encontra-se classificada como património mundial.

Ao reentrar no percurso, evidenciam-se as riquezas da flora local, que acompanham o visitante a cada passo. O carreiro, que contorna a Ermida de S. Saturnino, conduz-nos aos penedos de Adrenunes, num primeiro momento por entre matos, depois pelo fechado bosque de cedros, onde quase não entra a luz do sol, e posteriormente por vegetação mais variada, composta por ervas medicinais e aromáticas, carvalhos, sobreiros, medronheiros, e espécies invasoras como a acácia ou o chorão.

O acesso a estes penedos pode encontrar-se condicionado, entre os meses de Janeiro e Junho, devido à nidificação de espécies de aves em risco.

Para trás ficou já a altiva capela da Peninha, que coroa o aglomerado de monólitos e que nos observa a sul. A este vislumbra-se o Palácio da Pena e o Castelo dos Mouros.

O regresso faz-se por caminhos largos, ladeados de vegetação e erva luxuriante e, quase no final, por entre ao bosque de cedros, num ziguezaguear do carreiro que as heras tentam esconder. Este será o local ideal para fazer uma pausa e aproveitar a merenda no parque das Pedras Irmãs.

O percurso e respectivo folheto informativo encontram-se disponíveis nos sítios da internet da Câmara Municipal de Sintra e do Instituto de Conservação da Natureza e Biodiversidade.

 

Texto e fotografia: Lino Ramos