Fotografia: Tiago Canoso
Publicidade

O percurso atravessa uma densa floresta de faias, plantada pelos Serviços Florestais de Manteigas no início do século XX, e é usado por pastores que levam o gado até aos locais de pastoreio.

Acabámos de entrar numa verdadeira experiência sensitiva, pois além das belas paisagens somos conquistados por odores a rosmaninho, alfazema, tomilho e hortelã-brava.

Chegados à povoação de São Lourenço, fixamos o olhar na imensidão de serras que se estende até Espanha. Em primeiro plano surge a cumeada da Lomba das Cancelas, que limita a Beira Alta da Beira Baixa, e o Cabeço da Azinheira, a quase 900 metros de altitude.

Fotografia: Tiago Canoso

O Vale Glaciar do Zêzere, em forma de U, acompanha-nos ao longo do percurso e voltamos a encontrar-nos com a Torre, os cântaros magro e gordo e as sublimes Penhas Douradas.

A víbora-cornuda, a lagartixa-do-mato, o sardão, a raposa e a doninha são alguns dos animais que, com sorte, poderemos ver, vigiados lá do alto pela coruja, o corvo e o peneireiro, entre outras aves.

 

Leia mais na edição especial da revista Descla dedicada aos trilhos verdes de Manteigas