Fotografia: Tiago Canoso
Publicidade

A Grande Rota do Zêzere é, como o nome indica, um percurso majestoso que acompanha o rio Zêzere desde a nascente, na Serra da Estrela, até à foz, em Constância, onde entra no Tejo. Ao longo dos 370 quilómetros que unem 13 concelhos podemos ver algumas das mais belas paisagens naturais do nosso país e importantes marcas deixadas pelo Homem em diversas gerações.

O ponto de partida é Manteigas e o seu emblemático Vale Glaciar do Zêzere, um dos maiores da Europa. O rio nasce junto à Torre, a quase 2.000 metros de altitude, cai pelas paredes íngremes dos famosos Cântaros e começa a ganhar forma no Covão d’Ametade, uma depressão de origem glaciar que ao longo dos anos se tornou num cenário paradisíaco e bucólico.

Fotografia: Tiago Canoso

A decida do vale conduz-nos à vila de Manteigas, terra de pastores e artesãos. A actividade pastoril permitiu aproveitar terrenos abandonados ou que não eram úteis e a pecuária foi importante na fertilização da terra dos maninhos, tornando possível a cultura do centeio a 1700 metros de altitude. Ainda hoje vemos pastores a guardar rebanhos, acompanhados de cães da serra. A indústria têxtil desenvolveu-se pelo menos desde o século XVI, pois sabe-se que nessa altura já existiam em Manteigas três pisões e, por isso, um conjunto de operações inerentes à produção de lã e ao acabamento dos tecidos.

Seguimos o leito do Zêzere e alcançamos Vale de Amoreira, aldeia com pouco mais de 200 habitantes, de ruas estreitas e casas em xisto, uma das mais belas da Serra da Estrela. Desde muito cedo que esta terra está associada à agricultura e à produção de azeite. Os serviços florestais também foram importantes para o sustento de várias famílias, na construção dos caminhos e estradas florestais e na sua manutenção.

Esta é a primeira parte da Grande Rota do Zêzere, um extenso percurso que podemos fazer a pé, de bicicleta ou canoa, embora esta última actividade nem sempre seja possível. Um dos aspectos inovadores desta rota são, precisamente, as 13 Estações Intermodais, estruturas de apoio que nos permitem alternar entre estas três modalidades de locomoção sem necessidade de sair do percurso para trocar o equipamento utilizado.

 

Leia mais na edição especial da revista Descla dedicada aos trilhos verdes de Manteigas