Fotografia de "REM: Rem Koolhaas Documentary"
Publicidade

O arquitecto contemporâneo nas suas diferentes vertentes é o foco da 5ª edição do Arquiteturas Film Festival, que entre amanhã e domingo vai exibir mais de 20 filmes documentais e experimentais temáticos em Lisboa.

“Uma programação que convida à reflexão sobre a ilustre e frágil complexidade desta profissão que a maior parte de nós desconhece”, antecipa a directora artística do evento, Sofia Mourato.

Com o lema “Let’s Get Physical”, o festival divide-se em oficial e filmes de competição e vai decorrer em dois cinemas de bairro, o Fórum Lisboa e Cinema City Alvalade.

O destaque da programação oficial é a première de REM: Rem Koolhaas (90’, 2016), documentário com uma narrativa muito pessoal sobre o famoso arquitecto holandês.

O filme foi realizado por Tomas Koolhaas, filho de Koolhaas, e o Hollywood Reporter considerou-o “um acto de amor de um filho para com o seu pai, bem como um documentário de arquitectura altamente absorvente”.

Além do criador holandês, o Arquiteturas vai distinguir três outras grandes estrelas da arquitectura: o dinamarquês Bjarke Ingels, com exibição de Big Time (94’, 2017), o português Álvaro Siza, com Vizinhos (versão editada para cinema, 155’, 2016) e a activista americana Jane Jacobs com Citizen Jan: Battle for the City (92’, 2016).

Em competição, e divididos nas categorias de “Competição Internacional”, “Experimental” e “Novos Talentos”, vão estar mais de 20 filmes oriundos de 14 países, alguns de realizadores que se apresentam pela primeira vez em Portugal.

O destaque para as duas estreias mundiais de autores holandeses: a curta-metragem Today, de Marcel Ijzerman (4’, 2016), e Hands On – A Journey through Design and Craftsman with Emmanuel Babled, de Marco Sweering (32’, 2017).

O Arquiteturas Film Festival inclui ainda uma masterclass com o realizador e videoartista alemão Daniel Kötter, no dia 13 de Outubro, às 17:00 horas, na sede da Trienal de Lisboa (entrada gratuita).

“A arquitectura e a cidade têm sido um tema recorrente no trabalho de Kötter, no qual usa, deliberadamente, diferentes suportes, combinando técnicas de cinema estruturalista com elementos de documentário e musica experimental, tendo sido exibido em várias galerias, festivais vídeo, salas de concerto e teatros de todo o mundo”, revela a organização do evento.

O realizador alemão ganhou o prémio de Melhor Filme Experimental no Arquiteturas de 2015 e este ano volta com o filme Hashti Tehran, que vai ser exibido a 15 de Outubro, no Fórum Lisboa.

O festival vai também inaugurar a área do cinema na programação oficial deste ano da Trienal de Arquitectura de Lisboa. “O trabalho de muitos arquitectos encontra inspiração na arte do cinema, tal como neste a arquitectura é inúmeras vezes uma realidade central ou decisiva”, explica o presidente da Trienal de Lisboa, José Mateus, revelando que “chegou o momento certo de incorporar também o cinema, particularmente através deste festival com provas dadas ao longo de anos de excelente programação”.