Fotografia: Tiago Canoso
Publicidade

E se pudesse descobrir a Quinta da Regaleira, em Sintra, tendo como guia Luís de Camões ou o rei D. Sebastião? Já é possível com a nova aplicação que o espaço cultural lançou recentemente. Através de indicações e experiências em realidade aumentada, com efeitos visuais e sonoros, o utilizador pode visitar a quinta de forma interactiva e original.

A app “Quinta da Regaleira 4.0 é gratuita e pode ser descarregada pelo utilizador na bilheteira, onde são oferecidos os auriculares. Durante o percurso, o visitante vai receber um aviso automático para apontar a câmara do telemóvel para a imagem que lhe aparece no dispositivo. Ao fazê-las coincidir vai ter acesso a um vídeo a três dimensões (3D) e com uma realidade aumentada em tempo real.

De seguida vai aparecer uma personagem no ecrã do telemóvel a explicar cada um dos elementos. Luís de Camões, D. Sebastião, Carvalho Monteiro (fundador da quinta) ou Luigi Manini (o arquitecto) são alguns dos habitantes imaginários. O dispositivo de cada utilizador vai receber um alerta sempre que houver uma nova experiência disponível.

“A Quinta da Regaleira 4.0 é um iniciativa digital que não deixará ninguém indiferente”, garante o vogal do conselho directivo da Fundação Cultursintra e um dos promotores da iniciativa, Luís Patrício.

O projecto de realidade aumentada é único em Portugal e reúne mais de 70 experiências om 40 animações, 30 filmes e 100 áudios em português, inglês e espanhol. Para já a aplicação só está disponível para Android, na loja ‘Google Play’ mas no fim do mês deverá estar acessível também no sistema IOS, na loja ‘App Store’.

A Quinta da Regaleira é um dos mais surpreendentes e enigmáticos monumentos da vila de Sintra. O espaço foi adquirido em 1893 pelo filantropo António Carvalho Monteiro (1848-1920) para residência de Verão da sua família.

O “Monteiro dos Milhões”, como ficou conhecido, contratou o arquitecto e cenógrafo italiano Luigi Manini para transformar a quinta numa ambiciosa obra de Arte Total, obedecendo a um complexo programa paisagístico, arquitectónico e artístico. O monumento é hoje considerado uma obra-prima da Arte Neo-Manuelina do último período do Romantismo.