Estação do Rossio – Fotografia por Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Bulbenkian (Estúdio Horácio Novais)
Publicidade

 

Gare do Oriente – Fotografia de Edilson Coutinho

Considerado um dos principais meios de deslocação nos séculos XIX e XX, o comboio alargou-se gradualmente a todo o país. Assim, foi necessário criar infra-estruturas que abastecessem as necessidades. Mas, para além disso, na época valorizava-se a arquitectura de uma maneira diferente dos dias de hoje.

O design da actualidade é privilegiado por linhas rectas. No entanto, nem sempre foi assim. A história é composta por uma época em que esse traço era quase rejeitado. Para recordar, restam alguns edifícios construídos nos séculos passados em que privilegiavam os detalhes, exuberância e a cor.

A estação ferroviária de Aveiro está na lista das mais bonitas de Portugal. Serve a região de Aveiro e pertence à Linha do Norte. Inaugurada a 10 de Abril de 1864, a sua grande particularidade são os painéis em azulejos azul e amarelo que representam o quotidiano da população da época. Também algumas imagens relacionadas com cenas ferroviárias e cultura, marcam a fachada do edifício.

Estação ferroviária de Aveiro

Em Lisboa, existem duas estações que chamam a atenção pela sua arquitectura. A estação do Rossio que liga Sintra a Lisboa, é marcada pelos seus arrojados detalhes, altura e pelas janelas que fazem parte da frontaria.  Construído no estilo manuelino, pelo arquitecto José Luís Monteiro, está classificado desde 1971 como imóvel de interesse público.

Estação do Rossio – Fotografia por Biblioteca de Arte-Fundação Calouste Bulbenkian (Estúdio Horácio Novais)

Já mais moderna, a estação do Gare do Oriente que liga a cidade de Lisboa com o resto do país e mundo está activa desde 1998. Projectada por Santiago Calatrava, é destacada pela sua estrutura que suporta a estação. Situada no Parque das Nações, é das principais estações do país, tendo um conjunto de serviços como metro, autocarros, táxis e comboios.

Estação de São Bento – Fotografia de Edilson Coutinho

No distrito do Porto, a estação de São Bento é uma imagem postal para os turistas. Construída sobre as ruínas de um antigo convento, começou a ser edificada no século IX. É considerado um dos maiores monumentos de azulejaria portuguesa, pois o arquitecto José Marques da Silva idealizou o imóvel com 20.000 azulejos.

Jorge Colaço é o nome do pintor que concebeu os azulejos e também remontam marcos da História de Portugal, assim como dos transportes públicos.

Em Vila Real, a estação do Pinhão é das poucas que se mantêm activas na linha do Douro. Novamente decorada com azulejos, era um objecto bastante valorizado na época e continua a ser um elemento de tradição na cultura portuguesa. Os painéis de azulejos datam o século XX, trazidos da Fábrica Aleluia, em Aveiro.

Estação do Pinhão – Fotografia de Maria Cartas

João Alves de Sá foi um um pintor português que distribuiu diversos azulejos pintados por várias estações de Portugal.

Estação de Vilar Formoso – Fotografia de Vítor Oliveira

No entanto, o que mais salta à vista é a estação ferroviária de Vilar Formoso. Os mosaicos em tons de azul e amarelo tinham como intenção de mostrar os monumentos portugueses.

 

Texto de Edilson Coutinho