Publicidade

O “Alentejo – Festival Internacional de Artes” vai divulgar o património cultural da região de 7 a 29 de Julho. A iniciativa, dinamizada pelo Centro de Dança Contemporânea de Évora, pretende promover a cultura alentejana.

Em destaque estão o Cante Alentejano e os Chocalhos, classificados como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Esta é a segunda edição do Festival Internacional de Artes, que funde o património tradicional da região com as artes performativas e visuais modernas. Na sua estreia, o Festival deu-se em Évora, mas em 2018 o evento viaja por vários pontos do Alentejo Central e Sul. Estremoz, Castro Verde, Redondo, Reguengos de Monsaraz e Vila Verde de Ficalho são algumas das cidades contempladas na programação.

O programa de abertura dos primeiros dois dias acontece em três localidades em simultâneo – Évora, Castro Verde e Estremoz.

Programação

O Festival Internacional de Artes inclui espectáculos em estreia absoluta, percursos com Cante e Chocalhos, expressões de rua, exposição de fotografia, conversas e oficinas educativas e propostas artísticas dirigidas aos públicos de todas as idades. Este ano, o evento reforça a sua vocação internacional com a participação de artistas da Bélgica e da Alemanha.

Um dos pontos altos do Festival é espectáculo “Chocalhando”, cuja estreia é na noite de 8 de Julho. Trata-se de um projecto de Nélia Pinheiro e Dj Fatlnch, em se mistura ao vivo os típicos Chocalhos com a música electrónica.

Também em destaque está o workshop de Dança Contemporânea organizado pela Companhia de Dança Contemporânea de Évora. De entrada gratuita, o workshop ocorre no dia 7 de Julho às 14.30 horas, sendo destinado ao jovem público (maiores de 6 anos) interessado em aperfeiçoar as suas capacidades de dança.

Estes dois últimos eventos são de entrada gratuita.

Toda a informação sobre o Festival Internacional de Artes pode ser consultada no site da Companhia de Dança Contemporânea de Évora.