Publicidade

O lixo pode ser arte? Eis o ponto de partida da Escultura de Ar Livre de 2018, a exposição que pega nos desperdícios das oficinas da Amadora e os converte em esculturas artísticas. Esta é uma iniciativa da Câmara Municipal da Amadora e da Galeria Municipal Artur Bual na qual a madeira, o metal e o plástico saem dos contentores e voltam às ruas, desta vez sob a forma de cultura.

Comissariada pelo escultor Carlos Andrade, a exposição deste ano conta com sete joven talentos da arte nacional: Catarina Bual, Andreia Mateus, Afonso Matias, Luísa Barros, Susana Aleixo Lopes, João Madureira e Rui Ferreira. Vindos de todos os cantos do país, estes são artistas recém-formados que têm nesta iniciativa uma oportunidade de repensar a escultura tradicional.

Os escultores fazem dos estaleiros da Câmara Municipal da Amadora o seu local de criação. Cada um deles vai apresentar a sua peça individualmente, cabendo a Catarina Bual a abertura do ciclo. A cada artista são concedidos cerca de dois meses para expor a sua obra, pelo que o fim da exposição está previsto para Junho de 2019.

A iniciativa Escultura ao Ar Livre leva uma década de existência, tendo tradicionalmente destacado a escultura clássica. Este ano, inova ao privilegiar as esculturas-instalações que reutilizam materiais descartáveis.

Sobre Catarina Bual Salvado

A artista éoncluiu em 2016 o Mestrado em Especialização de Escultura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa. Frequentou mais tarde um curso de Fotografia pelos formadores Arlindo Pinto e Jorge Alves.

Com 22 anos, Catarina Bual já desenvolveu projectos e trabalhos em escultura, fotografia, design gráfico. Participou na 1.ª Residência Artística de Land Art em Moledo, e mais recentemente foi assistente do escultor Abílio Febra num simpósio de escultura em betão na Maceira.

A inauguração da exposição Escultura ao Ar Livre ocorre a 28 de Julho pelas 17 horas, no espaço exterior da Galeria Municipal Artur Bual. A entrada é livre.