Foto: Facebook AURA Festival
Publicidade

Fazer da luz arte: é essa a premissa do AURA FESTIVAL – Light Atmospheres, o festival que joga com projeções de vídeo interativas, instalações fotográficas em fachadas, videomapping, vjing, workshops e obras colaborativas. É em Sintra, de 2 a 5 de Agosto, que o AURA Festival tem lugar. O objectivo é que se redescubra a vila e a serra de Sintra com história e criatividade pelo meio.

À semelhança das edições anteriores, o público pode fazer um percurso noturno pela vila de Sintra que passa por locais inesperados.

Este ano, o AURA FESTIVAL – Light Atmospheres surge associado ao Ano Europeu do Património Cultural pelo que o programa é desenvolvido a partir de três eixos criativos: o património de Sintra e a sua ancestral capacidade de atracção; projecções de vídeo geradas em tempo real, e esculturas de luz in situ.

O evento abraça mais de uma dezena de obras de artistas nacionais e internacionais que partem de referências locais, como memórias fotográficas e histórias dos residentes na vila, ou a história peculiar do vinho de Colares, e reconfiguram-nas em acontecimentos artísticos que transfiguram, simultaneamente, a forma como nos relacionamos com a noite e com a vila.

O AURA FESTIVAL foi distinguido com o selo de “Remarkable Festival” 2017-2018 pela associação europeia EFFE (Europe for Festivals, Festivals for Europe) devido ao seu compromisso artístico, abordagem inovadora, envolvimento da comunidade e compromisso europeu e internacional.

Do percurso do evento fazem parte: o documentário LEFT HAND; a instalação participativa Solunar dos Het Pakt; o videomapping Tilling Drawns dos Desilence; a instalação escultura Colares Effect de Torsten Muhlbach; a instalação fotográfica A Prática de Preservar o Invisível de Alfred Kurz; e a instalação interactiva ERROR43 de Mushi.

Há espaço ainda para Miguel Boim, que vai ainda organizar passeios pedestres nocturnos. Leo Bettinelli do Circus Luminescenz criou a instalação luminica Luminescent Forest; Coletivo Articacc; a André Gastão coube a performance Artica Assisted Performance. Patricia Guerra e Filipa Magalhães fizeram a instalação dinâmica The Talking Wall. Por último, VJ Data7 exibe a instalação de vídeo interactiva People of Light.

Já a oficina de Ciência de Sintra dinamiza um workshop sobre luz e eletricidade. Os comes e bebes não ficaram esquecidos: o AURA FESTIVAL dispõe de um lounge de comida de rua.

Todas as informações estão disponíveis no site oficial do evento.