Fotografia: Município de Chaves
Fotografia: Município de Chaves
Publicidade

Ouvem-se sons de marcha e o barulho enérgico duma multidão: são as tropas romanas que voltam a invadir Chaves. De 17 a 19 de Agosto, a vila de Trás os Montes recua até ao tempo em que era um influente município do Império Romano. É a Vespasiano, primeiro César da Família Flavia, que se deveu a designação de Aquae Flaviae à actual Chaves, e é essa era de prosperidade que se recria na 6ª edição da Festa dos Povos.

Na Festa dos Povos está presente o mercado galaico-romano onde se pode saborear iguarias gastronómicas, manjares, e um festim de bebidas bem ao estilo romano. No plano da cultura, a Festa dos Povos acolhe recriações mitológicas, interpretações musicais, bailados, e cortejos. A influência da cultura romana é assim recordada, numa celebração permanente do legado latino que chegou até à sociedade actual.

Fotografia: Município de Chaves
Fotografia: Município de Chaves

Estarão também representados os povos galaicos, legionários, gladiadores, senadores, músicos, bailarinos, mendigos, escravos, falcoeiros e divindades, numa azáfama constante de episódios.

Com sangue nas veias

Se há civilização que ficou imortalizada pelo seu temperamento bélico e gosto por grandes combates, foi a romana. Todos se recordam dos filmes em que os romanos disputavam lutas de bigas (os carros puxados a cavalos) em arenas imponentes como o Circo Máximo. Os “romanos” modernos de Chaves não ficam para trás, e já é costume na Festa dos Povos haver lutas de gladiadores fervorosas.

Fotografia: Município de Chaves
Fotografia: Município de Chaves

Mas as lutas à portuguesa não ficaram esquecidas: no festival, há lugar para as galhofas e os jogos com varapaus. Estas são formas de combate típicas de Trás os Montes, que caíram em desuso, e que voltam à vida na Festa dos Povos.

Fotografia: Município de Chaves
Fotografia: Município de Chaves

Aqua Flaviae

As legiões romanas chegaram ao território português há cerca de dois milénios. Em Chaves, distribuíram pequenas fortificações, edificaram a primeira muralha que envolveu o aglomerado populacional, construíram a ponte de Trajano, tiraram proveito das águas minerais, implantaram balneários termais, e exploraram filões auríferos e outros recursos. Chaves assumiu nessa altura um importante papel a nível nacional.


Já conhece a edição da Descla sobre recriações históricas? Este Verão percorra Portugal desde os Romanos até ao século XVIII.
Veja na nossa edição Histórias (re)vividas.