Fotografia: Revista Descla
Publicidade

Vista de longe, bem do alto, parece um conjunto de estrelas. A Fortaleza de Valença marca o ponto de arranque da viagem. Não é por acaso que este monumento tem uma configuração única; trata-se de uma construção militar abaluartada, pensada para defender Valença dos ataques desde tempos imemoriais.

Tal tem sido a história da actual cidade: sucessivos invasores tentaram-na tomar, não fosse ela um ponto central da pátria. Foi aqui que nasceu São Teotónio, o primeiro santo português a ser canonizado. Nascido em 1082, o padroeiro da cidade foi um importante aliado e conselheiro de D. Afonso Henriques.

Mas nem a protecção santa impediu Valença de ser constantemente assaltada – situação essa, aliás, comum às zonas raianas. De tal maneira que, ao longo da existência da região foram vários os privilégios concedidos aos seus habitantes de maneira a cativá-los e fixá-los.

Voltando à Fortaleza: é ela o orgulho maior da cidade. Por isso é que, em 2011, a Câmara Municipal de Valença quis propor o monumento a Património da Humanidade; e em 2016, juntamente com os municípios de Almeida, Marvão e Elvas criou-se a ficha da inscrição das “Fortalezas Abaluartadas da Raia” a Património Mundial da UNESCO. Para já, está classificada como Monumento Nacional, e não é por falta de títulos pomposos que a Fortaleza deixa de receber milhões de turistas todos os anos…

Valença é apenas o início da nossa aventura militar: viaje connosco de norte a sul na revista Descla dedicada à Raia.