Castelo de Miranda do Douro. Fotografia: Câmara Municipal de Miranda do Douro
Publicidade

Uma cultura própria e uma língua independente fazem de Miranda do Douro não só um concelho ímpar, como um recanto original. Aqui, as placas das ruas sinalizam os topónimos em mirandês, a segunda língua de Portugal, reconhecida oficialmente em 1999. Apesar de serem uma minoria, é com orgulho que os habitantes da chamada Terra de Miranda ostentam os seus costumes.

A história de Miranda do Douro começou com os primeiros reis que tutelaram a terra com castelos românicos, numa altura em que essas divisões davam pelo nome de Terras – tal como Terra de Miranda, designação que perdura até hoje entre os falantes de mirândes.

Foi a D. Dinis quem se deveu o segundo momento de povoamento e ordenamento de Trás os Montes, altura em que foi fundada a vila, no ano de 1286, e se ergueu o castelo de Miranda do Douro. Daí transferiu-se o poder do antigo castelo de Algoso, que era cabeça-de-terra até então.

Castelo de Miranda do Douro. Fotografia: Câmara Municipal de Miranda do Douro

Os anos passaram e o castelo soube resistir, até à primavera de 1762: cercada por tropas espanholas, a praça tentava resistir mas um paiol acabou por explodir, levando consigo alguns troços que não mais se reconstruíram. Até hoje, em Miranda do Douro, tudo o que se vê são ruínas, fragmentos de uma narrativa despedaçada…

Lendas do Menino Jesus da Cartolinha

A maior catedral de Trás-os-Montes é a de Miranda do Douro, e é nela que se pode contemplar o Menino Jesus da Cartolinha, que tem direito a um altar próprio. Até hoje, os mirandeses fazem tanta fé neste Menino que, em momentos de aflição, exclamam “Ai, Meu Menino!”. Tudo começou quando Miranda foi cercada durante muitos meses pelas tropas espanholas, ao ponto de os habitantes terem perdido todas as forças para continuar a resistir. A certa altura, vindo do nada, apareceu um jovem enérgico que incitou à revolta, de tal modo que, como por magia, a população ganhou uma força renascida e conseguiu expulsar os invasores.

Uma vez salva a vila, procurou-se o jovem prodígio para lhe prestar as devidas homenagens, mas ele havia desaparecido misteriosamente… Disse então o povo: “Foi um milagre de Jesus”. Mas outra lenda explica que o Menino Jesus da Cartolinha surgiu porque morava em Miranda um jovem oficial, noivo de uma senhora da Corte. O jovem foi chamado a a enfrentar os espanhóis, mas morreu em combate. A noiva fez então a promessa de lhe honrar a memória, oferecendo ao Menino Jesus a farda correspondente à que o seu noivo iria vestir depois da guerra.

Tudo sobre a Raia Lusitana e o Turismo Militar na revista Descla deste mês.