Aldeia de Castelo Rodrigo. Fotografia: Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo
Publicidade

Nasceu espanhola mas manteve-se portuguesa, não sem incorrer numa infidelidade… Falamos de Castelo Rodrigo, a vila tornada aldeia histórica que integra o concelho guardense de Figueira de Castelo Rodrigo. Esta é uma das 12 Aldeias Históricas cujo património histórico impressiona o olhar; desde que surgiu, Castelo Rodrigo foi sempre alvo de várias tensões. Desde logo pela sua origem: foi fundada por Afonso IX de Leão, que lhe atribuiu o foral em 1209, até passar para as mãos do conde Rodrigo Gonzalez de Girón (a quem deve o seu nome).

Foi preciso chegar a 1297 para D. Dinis juntar a vila à coroa portuguesa. O rei, ciente da necessidade de fortalecer a presença portuguesa, aproveitou uma fraqueza dinástica de Leão e deslocou-se à Guarda para declara guerra a Fernando IV, filho de Sancho IV. Começou assim uma profunda penetração por Castela, avançando desde Ciudad Rodrigo até Valladolid. Com isto D. Dinis conseguiu colocar guarnições portuguesas em Castelo Rodrigo, Alfaiates, Sabugal, Vilar Maior, Castelo Bom, Almeida e Castelo Melhor. Isto obrigou os Castelhanos a assinar o Tratado de Alcanizes.

Ruínas da muralha. Fotografia: Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo

Para assegurar a posse das terras conquistadas aos reinos de Leão e Castela, D. Dinis mandou reparar as muralhas em volta da vila. Contudo, não faltaria muito para Castelo Rodrigo quisesse tomar o partido espanhol. Isto porque em 1383, D. Beatriz (filha do controverso casamento entre D. Fernando I e Leonor Teles), contraiu matrimónio com D. João I de Castela.

Aquando do falecimento de D. Fernando, gerou-se um problema na sucessão ao trono, já que a população preteria D. Beatriz em favor de D. João, Mestre de Avis (meio irmão de D. Fernando). Muitas terras do país recusaram-se a celebrar a sua regência – o que não era o caso em Castelo Rodrigo, onde se tomava o partido de D. Beatriz. Contudo, quem viria a ganhar definitivamente o trono português foi o Mestre de Avis, que, assim que venceu os castelhanos na Batalha de Aljubarrota, ordenou que o brasão de Castelo Rodrigo tivesse as armas reais invertidas. Isto seria o testemunho da deslealdade da vila (aquilo a que se chama um brasão difamado); mas hoje em dia, a freguesia já não ostenta esse famoso símbolo.

Interior do castelo. Fotografia: Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo

Lendas e Mais Lendas

Era inevitável que um local por onde tanta História correu guarde uma colecção enorme de lendas: só no portal da Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo estão registadas 35 histórias associadas ao misticismo da região, das quais a mais famosa é a da Serra da Marofa. Conta a lenda que um cavaleiro cristão apaixonou-se pela filha de um rico judeu, chamada Ofa, mas cujo amor era absolutamente proibido. A rapariga, perdidamente apaixonada, viu-se obrigada a refugiar-se em Castelo Rodrigo, uma bonita terra da Beira Alta.

Percorra o Portugal militar de cima a baixo com a Descla deste mês.