A Azinheira Secular do Monte do Barbeiro
Publicidade

A Azinheira Secular do Monte do Barbeiro, no concelho de Mértola, é a Árvore do Ano 2019, anunciou hoje a organização do concurso, cujas votações decorreram online.

A árvore eleita tem 150 anos e está plantada na localidade de Alcaria Ruiva, sendo um marco da planície alentejana, com uma sombra que impressiona.

“Sentarmo-nos debaixo da sua copa faz com que o calor abrasador do Alentejo nos pareça suportável e nos permita contemplar a vastidão da planície envolvente respirando a sua tranquilidade”, lê-se no site do concurso nacional,  organizado pela União da Floresta Mediterrânica (UNAC).

A azinheira, da espécie Quercus Rotundifolia Lam, conquistou 3.445 votos e vai agora representar Portugal no concurso da Árvore Europeia do Ano (Tree of the Year), que junta os vencedores das diferentes competições nacionais e cujo vencedor deste ano foi uma árvore portuguesa, o Sobreiro Assobiador.

Os dez finalistas foram escolhidos de entre 29 candidaturas apresentadas, por um júri especialista constituído por Ana Luísa Soares, António Bagão Félix, Nuno Mendes Calado, Paulo Tenreiro e Rui Queirós.

Em segundo lugar, com 2.989 votos, ficou o Plátano do Rossio, plantada em Portalegre há 180 anos pelo botânico José Maria Grande. Trata-se da mais antiga árvore classificada de interesse público portuguesa, local de amenas cavaqueiras, negócios, comícios políticos, encontros amorosos e primeira “sede” do Sport Clube Estrela. O tronco chegou a ser cortado até meio, mas a população revoltou-se e não permitiu o “crime”.

Plátano do Rossio, a 2ª classificada
A Quercus do ISA, em Lisboa, conquistou a terceira posição. A árvore foi plantada há 90 anos no pátio do Instituto Superior de Aronomia (ISA) pelo ilustre silvicultor Joaquim Vieira Natividade, transformando-se na paixão de várias gerações de estudantes, professores, investigadores e funcionários.
Quercus do ISA, a 3ª classificada