Castelo Reguengos Monsaraz. Fotografia: Município de Reguengos de Monsaraz
Publicidade

O Grande Lago. É ele que nos acompanha agora, desde que entrámos no Alandroal. Subimos ao castelo de Monsaraz e avistamos o imenso espelho de água do Alqueva, bem como a fronteira, que se estende por infinitos campos verdes. Um quadro natural arrebatador. Estamos no topo de um monte rodeado de muralhas que protegem a vila medieval, uma das mais antigas do país.

Ocupada desde a pré-história, como provam os inúmeros monumentos megalíticos, esta terra acolheu vários povos, entre romanos, visigodos e muçulmanos, até ser conquistada por Geraldo Sem Pavor, em 1167. De novo caiu nas mãos dos árabes e de novo os portugueses a dominaram. D. Afonso III atribuiu-lhe o foral em 1276 e nos anos seguintes foi construído o núcleo primitivo do castelo, incluindo a torre de menagem, a matriz e o tribunal gótico, cujo interior alberga o fresco de O Bom e o Mau Juiz.

A imensa fortaleza que hoje vemos foi construída aquando das Guerras da Restauração, envolvendo a vila com muralhas adaptadas aos tiros de artilharia. Para entrar há quatro portas de granito, duas de arco gótico e duas de arco plano. Ao passarmos a Porta da Vila, entramos no quotidiano de uma população que se servia da “vara” e do “côvado” para uniformizar as suas práticas comerciais e aferir as medidas dos negociantes de panos que entravam na vila.

Muito mudou desde então: Monsaraz já não é sede de concelho nem tem a função de vigiar a fronteira e defendê-la; a antiga praça de armas foi transformada em praça de touros. Permanece o encanto da vila, e os mistérios do céu, que sempre teve um papel fulcral na história, nos mitos e na busca insaciável do Homem pela compreensão do mundo – isso é visível no património megalítico do concelho de Reguengos de Monsaraz.

Nesta zona do Alentejo, o céu tem características únicas à noite, que facilitam a observação do cosmo e das estrelas. Chamam-lhe astroturismo. A Reserva Dark Sky Alqueva, que integra os municípios de Monsaraz, Portel, Alandroal, Mourão, Moura e Barrancos, foi a primeira do mundo a obter a Certificação Starlight Tourism Destination, atribuída pela Unesco e pela Organização Mundial do Turismo. Associada a esta, foi criada a Rota Dark Sky® Alqueva, que permite contemplar os corpos celestes através de telescópios e passear à noite a pé, a cavalo ou de canoa, entre outras actividades.

Na aldeia de São Pedro do Corval, mantém-se a tradição da olaria, também ela com origem na pré-história. No maior centro oleiro do país, ainda podemos ver os mestres a trabalhar na sua roda para criar canecas, pratos decorados com temas rurais ou potes que chegam a ter a altura de um homem.