Castelo de Noudar, em Barrancos. Fotografia: Município de Barrancos
Publicidade

Barrancos é quase espanhola. Não é por mania da contradição; de facto, esta vila raiana está mais perto da fronteira com Espanha do que da próxima localidade portuguesa (Barrancos fica a 9 quilómetros de Encinasola e a 21 quilómetros de Santo Aleixo da Restauração). Com cerca de dois milhares de habitantes e a mais de 100 quilómetros de Beja e de Évora, Barrancos é o que se pode chamar um reduto. Daí que a influência castelhana esteja mais presente na cultura de Barrancos do que propriamente a portuguesa – a vila distingue-se por nela se falar o Barranquenho, um dialecto com traços espanhóis que carece de reconhecimento por lei. A par com Reguengos de Monsaraz, este é um dos dois locais aonde, por regime de excepção, ainda se pratica a tourada com os touros de morte.

É em Barrancos que fica o Castelo de Noudar. Romanizado, islamizado e cristianizado, este é um castelo que já passou pelas mãos de muitos senhores. Sabe-se que a povoação de Noudar foi conquistada aos árabes por Gonçalo Mendes da Maia, por volta de 1167. Depressa voltou ao comando muçulmano, apenas para ser tomada por Castela mais tarde. Como uma bola num jogo de pingue-pongue inconstante, Noudar foi saltando de mão em mão, vítima das atribulações políticas.

Castelo de Noudar, em Barrancos. Fotografia: Município de Barrancos

Noudar só se tornou portuguesa em 1238, quando Afonso Sábio doou a terra à sua filha Beatriz. Passado um século, D. Diego Fernandez, um nobre castelhano da Ordem de Santiago, cerca e toma o castelo. Em 1372, pelo casamento de D. Fernando com D. Leonor Teles, o castelo é devolvido a Portugal; mas em 1385 volta à posse de Castela. No ano seguinte, a assinatura do Tratado de Monção determina que as Praças de Noudar, Mértola, Castelo Mendo, e Castelo Melhor regressam a Portugal em troca de Olivença e Tui. Menos de um centénio depois, Noudar é novamente sujeita às forças espanholas.

Vista do Castelo de Noudar. Fotografia: Município de Barrancos

O castelo foi ocupado em 1707, só tendo sido restituído a Portugal em 1715. Foi feito um projecto de uma enorme fortaleza para o substituir, na sequência deste conflito. Esta fortificação, que se situava na colina a sul, nunca chegou a ser executada, embora D. João V tenha ordenado o seu projecto. Foi no século XVIII que se deu a transferência da sede de concelho para Barrancos, sendo que a população abandonou gradualmente a terra, até Noudar deixar de ser concelho em 1836.

Continuemos à descoberta pelo antigo reino de Salúquia…