“A rota da Nacional 2 é uma rota cultural”

dete Paiva, vice-presidente da Associação de municípios da Nacional 2 e vereadora da cultura da Câmara Municipal de Viseu. | Fotografia: Tiago Canoso
Publicidade

Cada um dos municípios que integram a rota da N2 tem algo distintivo e único, seja monumentos, paisagens naturais, termas, gastronomia, vinhos ou património religioso.

A Rota da Estrada Nacional 2 é, antes de mais, um produto cultural. É com estas palavras que Odete Paiva, vice-presidente da Associação de municípios da Nacional 2 e vereadora da cultura da Câmara Municipal de Viseu, define este projecto. “A minha primeira preocupação é que desta estruturação resulte um produto cultural, uma identidade e uma mostra daquilo que Portugal tem de melhor de Norte a Sul”, afirma.



Com o aumento exponencial que o turismo tem sofrido nos últimos anos e, sendo este um dos eixos prioritários para a próxima década em Portugal, torna-se preponderante uma estratégia para atrair turistas, especialmente nas zonas que não se encontram no litoral. “Criar um produto turístico num país que está a aumentar significativamente a procura, inevitavelmente, vai trazer pessoas. Acreditando nisso é que criámos este projecto e estamos a desenvolvê-lo e estruturá-lo”, frisa.

Cada um dos 33 municípios que integram a Rota da Nacional 2 tem algo distintivo. Seja pelos monumentos, paisagens naturais, termas, gastronomia, vinhos ou até por terem alguma região ou tradição considerada património da Unesco: “Cada município tem que trazer ao de cima aquilo que em si é melhor, é mais identificador, mais significativo e identitário. A partir dessa identidade constrói-se esta experiência nacional. Aquilo que nos une é a estrada nacional 2 e à volta dela havemos de crescer e estruturar um produto muito interessante”, sublinha Odete Paiva.

Mas, como em todos os locais que começam a atrair turistas, é muito importante preservar a autenticidade das paisagens e dos locais, pois é isso que faz da rota aquilo que ela é. “Quando olhamos para isto percebemos que temos um diamante ainda por lapidar e que temos aqui um espaço que é absolutamente fantástico para receber turistas e para lhes dar aquilo que eles procuram. Porque na maior parte dos sítios a autenticidade das experiências já está a ser posta em causa. Esta rota tem capacidade de se oferecer de forma autêntica e genuína com produtos autênticos”.

A Nacional 2 é uma oportunidade de conhecer Portugal. “Hoje, na Europa, há um interesse muito grande pelas rotas culturais: se dissermos a um turista estrangeiro que em 700 quilómetros pode conhecer o nosso país de Norte a Sul e ficar a conhecer diferentes modos de vida, é muito aliciante”. É este perfil de turista, que tem interesse na cultura e nas paisagens e que vai percorrer o país devagar, demorando-se em cada local para poder usufruir, que se pretende atingir neste projecto.


Fique a conhecer melhor estes municípios e aproveite para planear as suas férias e visitar alguns destes locais. De carro, mota, bicicleta, caravana ou a pé; de uma vez só ou por etapas, a N2 pode ser feita de variadas formas. Visite a edição completa no link seguinte: Rota da Estrada Nacional 2.