Júlia Buisel distinguida com Prémio Bárbara Virgínia

Sessão de homenagem tem lugar dia 8 de fevereiro, na Cinemateca

Publicidade

Na quarta edição do Prémio Bárbara Virgínia, a Academia Portuguesa de Cinema vai atribuir o galardão a Júlia Buisel pelos mais de cinquenta anos de carreira ao serviço do cinema português, não só como atriz mas, também, como autora, assistente de encenação, assistente de realização, anotadora, script supervisor e, mais recentemente, realizadora.

A Direcção da Academia Portuguesa de Cinema presta, deste modo, homenagem a uma mulher que se distinguiu pela sua enorme versatilidade e valioso contributo para a história do cinema português.

A sessão de homenagem e de entrega do Prémio Bárbara Virgínia decorre no próximo dia 8 de Fevereiro, às 21H30, na Cinemateca, em Lisboa. Após a entrega do galardão, será exibida a curta “Quantas Vezes Tem Sonhado Comigo”, que assinala a estreia de Júlia Buisel como realizadora, e ainda “Pássaros de Asas Cortadas”, filme que sofreu 17 cortes da censura da época, de Artur Ramos, que conta com Júlia Buisel como intérprete. 

O Prémio Bárbara Virginia foi instituído pela Academia Portuguesa de Cinema em 2015 para homenagear mulheres que se distinguiram no cinema português. Até à data, o prémio foi atribuído às actrizes Leonor Silveira e Laura Soveral, e à colorista Teresa Ferreira.

Sobre Júlia Buisel:

Nascida em 1939, Júlia Buisel está ligada ao cinema desde os anos 60. Começou como actriz no filme “Pássaros de Asas Cortadas”, tendo-se destacado pelos papéis que desempenhou em filmes como “O Miúdo da Bica” e “Uma Hora de Amor”. Em 1981, iniciou uma ligação profissional com Manoel de Oliveira que durou mais de 30 anos e, durante esse período, para além de script supervisor de eleição do realizador, foi também actriz em alguns dos seus filmes.

Em 2018, Júlia Buisel estreou-se na realização com o filme “Quantas Vezes Tem Sonhado Comigo”. Tendo Lisboa como cenário, o primeiro trabalho de Júlia Buisel como realizadora utiliza fragmentos escritos por Fernando Pessoa e revisita, através das personagens interpretadas por Catarina Wallenstein e Dinis Gomes, algumas das casas onde o poeta viveu, bem como locais que gostava de frequentar.