Luís Represas vence prémio Pedro Osório (SPA) 2019

"BOA HORA" é o disco do ano para a Sociedade Portuguesa de Autores.

Publicidade

A direcção da Sociedade Portuguesa de Autores atribuiu a Luís Represas o Prémio Pedro Osório 2019 pelo seu último álbum “Boa Hora”, editado no ano passado. O prémio vai ser entregue no dia 13 de Fevereiro às 18h30, no auditório Frederico de Freitas, na sede da SPA.

O prémio, criado no início desta década, distingue anualmente, segundo a SPA, “o melhor trabalho discográfico do ano transacto que possa resumir também a qualidade global de uma carreira.” 

Até hoje, foi já atribuído a Jorge Palma (em 2012, pelo disco Com Todo o respeito), Rão Kyao (2013, Coisas que a Gente Sente), Pedro Abrunhosa (2014, Contramão), Janita Salomé (2015, Em nome da Rosa), José Cid (2016, Menino Prodígio), Fernando Tordo (2017, Outro Canto) e Júlio Pereira (2018, Praça Do Comércio). 

Lançado em Maio de 2018, o álbum conta com 14 temas originais, entre os quais “Boa hora” que abre e dá nome ao disco que chega em jeito de “presente antecipado” para as celebrações dos mais de 40 anos de carreira do Artista.

“Boa Hora”, tem produção maioritariamente realizada por Fred Ferreira (Orelha Negra), excepto em dois dos temas que tiveram a participação de Manuel Faria (Trovante) e Francisco Faria. São eles, “ Na curva do Horizonte ft. Mia Rose” e “ Boa hora”.  Jorge Cruz (Diabo na Cruz) também deixou a sua marca neste disco, escrevendo, por exemplo, o tema que dá nome ao álbum, ” Boa hora”.

Carlos do Carmo, Ivan Lins, Jorge Palma, Paulo Gonzo, Mia Rose e Stewart Sukuma são os nomes que fazem parte deste novo disco, que não é mais do que o recuperar do imaginário e ADN a que Luís Represas desde sempre nos habituou.