Parques e monumentos de Sintra acolhem a primavera com música da época romântica e muitas novidades

Publicidade

Em Março, não é só o Carnaval que vai animar os parques e monumentos de Sintra. Numa entrada triunfal, a primavera traz consigo um “bouquet” de novas actividades que celebram a natureza e despertam o imaginário, ora buscando fadas e duendes, ora desvendando a mitologia clássica. E como a música é um veículo privilegiado para aceder às emoções e às memórias, nada melhor, para prestar tributo à nova estação, que um ciclo de concertos que invoca o período romântico.

De 1 a 30 de Março, a música oitocentista volta a animar os serões do Salão Nobre do Palácio Nacional da Pena, com a quinta edição do ciclo “Serões Musicais no Palácio da Pena”, uma iniciativa conjunta da Parques de Sintra e do Centro de Estudos Musicais Setecentistas em Portugal (CEMSP), cuja direcção artística está a cargo do maestro Massimo Mazzeo. Ao longo de cinco fins de semana, revive-se o espírito dos saraus intimistas que ali aconteceram durante a segunda metade do século XIX, por iniciativa de D. Fernando II, o “rei-artista”, e da sua segunda mulher, a Condessa d’Edla. Em dez concertos, que traduzem os sete programas propostos, explora-se a interacção entre os estilos musicais e os géneros vocais, que caracterizaram a época do romantismo, e os seus ambientes culturais, em particular o literário, com destaque para a figura de Gustave Flaubert.

No dia 2 de Março, às 15h00, o Palácio Nacional de Queluz, reveste-se da alegria típica do Carnaval, com uma “Viagem à Corte do Século XVIII” especialmente dedicada a este tema. Num ambiente festivo e de grande criatividade, que nos transporta para o período barroco, tudo começa com um “atelier” de máscaras. Segue-se um percurso pelo palácio, que foi palco de muitas e sofisticadas festas, em que os participantes, acompanhados por personagens de época, serão envolvidos activamente num momento de música e dança setecentista, num dos faustosos salões do palácio.

A 17 de Março, às 15h00, é tempo de descobrir “As Plantas Medicinais e Aromáticas do Jardim Botânico de Queluz” pela mão de Fernanda Botelho, especialista na área. No Jardim Botânico de Queluz, recentemente recuperado, o destaque vai para as várias famílias de plantas que ali se encontram e para importância de as conhecermos pelos seus nomes científicos. Também se explica a sua riqueza terapêutica, culinária e hortícola. Este é ponto de partida para um conjunto de visitas que Fernanda Botelho conduzirá ao longo de 2019, focando-se no património botânico presente em alguns dos jardins históricos de Sintra e na cerca do Convento dos Capuchos.

Após a entrada da nova estação, no dia 23 de Março, nos Jardins do Palácio Nacional de Queluz, às 10h30, assiste-se à “Sagração da Primavera”. Trata-se de uma visita, orientada por Filomena Barata, da Associação Clenardvs, que recorre à interpretação da estatuária e de algumas espécies botânicas para revelar as divindades da natureza, a mitologia clássica e os mitos ligados às estações do ano. A edição de primavera abre um ciclo de quatro visitas que têm lugar em datas que celebram os solstícios e os equinócios.

No dia seguinte, a 24 de Março, também às 10h30, no Parque de Monserrate, procura-se “O Caminho das Fadas”. Percorrendo este cenário mágico, pais e filhos vão seguir suaves melodias e buscar os seres que habitam as florestas. No caminho, deparam-se com um sítio intrigante, que desperta a imaginação. Nesta actividade imersiva, que estimula o contacto com a natureza, as surpresas estão garantidas.