Teatro Stephens apresenta espectáculos com artistas do concelho

Publicidade

A Casa da Cultura Teatro Stephens, na Marinha Grande, é palco do concerto do projecto “Lobos de Barro”, do pianista e compositor marinhense André Barros e do músico Válter Lobo, e da exibição da peça “A  soprar se vai ao longe”, pelo Grupo de Teatro do Sport Operário Marinhense, nos dias 9 e 10 de Março.

No fim-de-semana que antecede a comemoração do 31º aniversário da elevação da Marinha Grande a cidade, a Câmara Municipal apresenta espectáculos com artistas do concelho, convidando a população a assistir.

Os próximos espectáculos apresentados no Teatro Stephens são os seguintes:

9 de Março . 21h30
LOBOS DE BARRO projecto de André Barros e Válter Lobo
Sinopse:
André Barros e Valter Lobo encontram-se no fim de uma festa com um bolo desfeito. Trocam canções e emprestam de si mesmos o que lhes é inerente compondo um novo universo.
Esta criação foi presencialmente testemunhada por dois lobos de barro que enfeitavam aquela sala caótica depois de uma tarde de inverno em que o mundo se descobriu.
André Barros joga no piano e programações, melodias e ambiente etéreos. Valter Lobo a voz e as palavras das entranhas. Sentam-se à mesa sob essa música que se escreve a ela própria, ao ritmo de sons electrónicos do pulsar do coração.
Os “Lobos de Barro” embarcam num navio de pavilhão português navegando uma sonoridade tão frágil quanto forte num exercício visceral, virados do avesso.
Trata-se de uma estreia absoluta, completamente legal, de dois juristas que assinam com a mão esquerda e se aventuram na maré de um novo diálogo que é um auto-exame e uma redenção. 

Ficha artística:
André Barros – piano, teclas, programações
Valter Lobo – voz, letras
Duração: Aprox. 60m
Classificação Etária: M6
Preço: 5€

10 de Março . 17h00
A SOPRAR SE VAI AO LONGE – 25 Anos uma encenação de Norberto Barroca para o Grupo de Teatro do Sport Operário Marinhense
Sinopse:
Há 25 anos, o Grupo de Teatro do Sport Operário Marinhense estreou a peça “A Soprar se Vai ao Longe” que contava um pouco da história da Marinha Grande, desde a chegada dos Irmãos Stephens, do apoio dado pelo Marquês de Pombal e da inauguração da Fábrica de Vidros até ao seu fecho.
Então, foi feita uma gravação de vídeo amador que registou o espectáculo e nos permite recordar o acontecimento.
Este espectáculo, recordando o êxito de há 25 anos, mostra imagens do vídeo então feito, intercaladas com representação ao vivo de algumas cenas principais da peça.
O espectáculo voltando a contar a história da Marinha Grande, recorda a ação dos Irmãos Stephens, a fabricação do vidro e o teatro; a visita dos reis D. Maria II e D. Carlos, a sua passagem a vila e, mais tarde, a cidade; refere a ação do engenheiro Calazans como administrador da Fábrica, o movimento do 18 de Janeiro, os Bombeiros, o Pinhal do Rei e os seus Guardas Florestais, o tempo do fascismo e também a Revolução do 25 de Abril.
É uma homenagem aos trabalhadores vidreiros que ajudaram a fazer crescer esta terra e conta a história do êxito de “A Soprar se Vai ao Longe”, há 25 anos.

Ficha artística e técnica:
Direcção e encenação: Norberto Barroca
Texto: Norberto Barroca e Poemas de Arnaldo Matos, José Martins Saraiva, Sérgio Bento e Correia Moita
Direcção plástica: Mário Dias Garcia
Gravação de vídeo: Alberto Pina
Edição de vídeo: Lua Filmes e equipa
Intérpretes: Adriana Vieira, Carolina Pina, Duarte Salvador, Duarte Salvador Júnior, Ermelinda Silva, Fátima Bonifácio, Isabel Ferreira, Isabel Loureiro, José Luís Coelho, José Simão, Jorge Pina, Leandro Costa, Luís Rosado, Olga Franco, Sandra Martinho.
Desenho de luz e operação de luz: Guto Silveira
Operação de imagem e som: Cristina Carapinha e José António Carvalho
Secretaria: Ana Pedro
Apoio de produção: Cristina Carapinha
Duração: Aprox. 2 horas c/ intervalo
Classificação Etária: M/6
Entrada gratuita (sujeita a levantamento de bilhete e lotação da sala)

Bilheteira:
De terça-feira a domingo: das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.
Nos dias de espectáculo: das 18h00 às 22h00.