O termalismo

O termalismo

O desenvolvimento de civilizações perto de água foi sempre uma constante na história da humanidade. De rios e lagos a orlas marítimas, o homem cedo compreendeu a importância da água. Consumida por motivos biológicos, utilizada para agricultura e posteriormente navegada, a água foi vital para a sobrevivência e desenvolvimento da nossa espécie.

Os romanos, aquando do seu extinto império e república, terão sido os primeiros a explorar as propriedades medicinais das fontes de água termal. Foram construídos núcleos termais em toda a extensão do Império Romano, estes serviam todas as classes da população e possibilitavam também a higiene. As capacidades curativas das águas termais começaram então a ser estudadas, tendo origem o termalismo tal como o conhecemos.

Foi durante a Idade Média, época na qual a água causava repulsa e temor, que o termalismo praticamente caiu no esquecimento. Foi já no século XVIII, período marcado pela racionalidade proveniente do iluminismo, que o termalismo ganha novamente expressão, apoiado pelos avanços na medicina.

Em Portugal a mais antiga estância termal localiza-se em Caldas da Rainha, tal como em toda a Europa, o termalismo em Portugal começa a renascer após a Idade Média. Atinge um momento alto durante o século XIX, mas não podemos esquecer que durante esta época as termas eram lugares elitistas, apenas frequentadas pelas cortes e personalidades importantes da nossa sociedade.

É a partir do inico do século XX, que as estâncias termais começam a deixar cair o rótulo de elitistas e decidem abrir as suas portas a toda a população, apesar de grande parte da população não possuir à data condições monetárias para o termalismo. Só perto da década de 50 é que o turismo termal ganha novamente uma dimensão medicinal e chega finalmente a toda a população portuguesa, atingindo um dos seus pontos mais altos.

O início do século XXI traz novamente o termalismo à ribalta, a sociedade actual preocupa-se cada vez mais com as questões de saúde e qualidade de vida. O termalismo também evoluiu e abrange novas dimensões como o bem-estar ou as terapias de reabilitação que tanto agradam as novas gerações