Ciclo da Moderna Arquitectura Portuguesa, A Diáspora e a arte de ser português

CCB • 6, 13, 20 e 27 Março • quartas • 18h-19h • Centro de Congressos e Reuniões

Publicidade

Qual o poder da arquitectura? Porque se diz que não é possível imaginar um país sem pensar na sua arquitectura? A arquitectura é a imagem de um povo? Podemos falar de uma Diáspora da arquitectura portuguesa? A afirmação da arquitectura moderna portuguesa tem sido acompanhada por uma crescente internacionalização que conduziu hoje ao reconhecimento pleno e unânime de uma produção arquitectónica de referência mundial.

Neste processo, as viagens de estudo, os contactos entre arquitectos, escolas e organizações, os prémios associados à difusão mundial, desempenharam um papel fundamental tendo conduzido à consagração de obras e autores. Neste ciclo, entre a «habitação para o maior número» e a monumentalidade da Obra Pública, o percurso da arquitectura moderna portuguesa é realizado a partir do início do século XX até à actualidade.

O objectivo destas conversas não é simplesmente discutir obras de referência, acção de criadores ou iniciativa de encomendadores, mas usá-las para promover o debate de ideias em torno do papel da arquitectura na sociedade e da sua contribuição para a construção de um mundo melhor.

PROGRAMA:

6 Março | 18:00 às 19:00

Progressistas e Culturalistas no dealbar do século XX. Ventura Terra (1866-1919) e Raul Lino (1879-1974). Entre a Inovação e a Tradição (Marques da Silva, Álvaro Machado, Adães Bermudes, Rosendo Carvalheira). A questão da casa portuguesa. Teixeira de Pascoaes, a arte de ser português, 1915; Raul Lino, A Casa Portuguesa, 1929.

13 Março | 18:00 às 19:00

O Primeiro Modernismo, novos materiais e novos programas. O Capitólio, o IST e o Pavilhão do Rádio. Arquitectura, Ideologia e Imagem de Poder. Duarte Pacheco e a Política de Obras Públicas. Pardal Monteiro (1897-1957); Jorge Segurado (1898-1990); Cassiano Branco (1897-1970); Cristino da Silva (1896-1976), Carlos Ramos (1897- 1969). I Salão dos Independentes, Lisboa, SNBA, 1930; Orfeu, Luís de Montalvor, e a Ática.

20 Março | 18:00 às 19:00

Afirmação da Arquitectura Moderna: Congresso, ICAT e ODAM. O Inquérito à Arquitectura Regional Portuguesa. Fernando Távora (1922-2005), Keil do Amaral (1910-1975), Nuno Teotónio Pereira (1922-2016). Fundação Calouste Gulbenkian: a Obra Global com Ruy d’Athouguia, Alberto José Pessoa e Pedro Cid, Ribeiro Telles e Viana Barreto. Keil do Amaral, Uma Iniciativa Necessária, 1947; Fernando Távora, O problema da casa portuguesa, 1947; Orlando Ribeiro, Portugal o Mediterrâneo e o Atlântico, 1945; Sofia de Mello Breyner Andresen, Mar Novo, 1958; A Arquitectura Popular em Portugal, 1961.

27 Março | 18:00 às 19:00

Dos anos 1960 ao processo SAAL e à afirmação da arquitectura portuguesa. Pluralidade e diversidade, situação pós-moderna e procura de uma identidade. Álvaro Siza (1933- ) e a internacionalização: Eduardo Souto Moura (1952-); Carrilho da Graça (1952-). Os Prémios Pritzker e as novas gerações: Aires Mateus, Paulo David, Falcão de Campos, ARX, Bak Gordon, João Mendes Ribeiro, Inês Lobo, João Favila, SAMI. Trabalhar com a memória e a história: do CCB à Expo 98 e à reconstrução do Chiado. Eduardo Lourenco, Portugal como destino seguido de Mitologia da Saudade, 1999; Álvaro Siza, Profissão Poética, 1988