Da prisão à Gulbenkian – Jovens reclusos montam espectáculo de ópera

A peça de Mozart ganha uma nova vida pelas vozes de 19 jovens do Estabelecimento Prisional de Leiria, que se uniram a músicos profissionais para subir ao palco da Fundação Calouste Gulbenkina.

Publicidade

Não é habitual misturar-se a ópera com o rap, mas é precisamente isso que o espectáculo “Só Zerlina ou Così san tutte?” ambiciona.

O espectáculo faz parte do projecto “Ópera na Prisão”, da Sociedade Artística Musical dos Pousos, que arrancou em 2003. Trata-se de uma iniciativa que dá oportunidade aos jovens reclusos do Estabelecimento Prisional de Leiria de subir ao palco do Auditório da Gulbenkian.

Mathieu e Tiago Silva são alguns dos solistas de rap que emprestaram a sua experiência em rimar a esta ópera, para a qual tiveram que aprender italiano e a fazer colocação de voz.

Todos os jovens escreveram as suas próprias falas, contribuindo assim para todas as partes da encenação. No total, formam um coro de 19 vozes que dão vida à personagem de Don Alfonso. A conduzi-los está o Maestro José Eduardo Gomes.

Em 2014, o “Ópera na Prisão” regressou com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian –  que agora integra “Só Zerlina ou Così san tutte?” na sua programação do Jardim de Verão.

A arte como reintegração social

É a Paulo Lameiro, director artístico da Sociedade Artística Musical dos Pousos, que cabe a missão de levar a música clássica para além das grades. Em retorno os jovens podem ver o seu potencial alargando, no intuito de diminuir a sua reincidência criminal.

Nesta terceira edição do “Ópera na Prisão”, os 19 reclusos partilham o palco com os músicos da Orquestra Gulbenkian e cinco cantores profissionais. Ao espectáculo juntaram-se ainda os funcionários da prisão do Estabelecimento Prisional de Leiria, e 70 familiares e amigos.

Os bilhetes e detalhes do “Só Zerlina ou Così san tutte?” podem ser consultados no site da Fundação Calouste Gulbenkian. A peça vai estar em cena nos dias 12 e 13 de Julho no Grande Auditório da Gulbenkian, em Lisboa.

A receita da bilheteira reverte totalmente para a Sociedade Artística Musical dos Pousos.