O Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz estará patente até 29 de Setembro

Publicidade

Mostramo-nos pelo direito, mas funcionamos pelo avesso. O avesso é o verso, o reverso, o inverso, o adverso, a outra metade das coisas, o não visível que faz o direito funcionar, o que não se vendo existe, ainda que tantas vezes não o reconheçamos. É o lugar onde ficamos quando nos viramos do avesso.

Mas também o lugar em que existimos enquanto dormimos, em que as sombras que persistem do que é vivido se encontram com aquelas que de outros tempos aguardavam e entre elas tecem das coisas as ligações de onde as palavras nascem. O presente é, do passado, um avesso transmutado e transportado para o futuro; a lagarta o avesso de que a borboleta tentou descartar-se; os bastidores o avesso do espectáculo; a cozinha o avesso do banquete; a placenta o avesso do bebé; o negativo o avesso da fotografia.

“O Avesso e o Direito”, de João Santana Lopes, é uma reflexão fotográfica sobre diversas facetas da relação com os avessos de nós — o encontro desencontrado com o que não se deixa ver directamente, com o interior que oculta e revela, com os reflexos em que simultaneamente nos revemos e nos escondemos, com o outro em nós, o inquietante duplo, ao mesmo tempo estranho e familiar.

Mais se informa que a entrada é livre.

Horário:

De segunda a quinta-feira: 9h00 às 23h00

Sexta-feira: 9h00 às 24h00

Sábados: 10h00 às 24h00

Domingos e Feriados: 10h00 às 19h00

Dias de espectáculo: até ao final do espectáculo