Escavações permitem, pela primeira vez, saber datação de minas romanas em toda a antiga Lusitânia

Publicidade

Uma equipa de investigadores espanhóis está a realizar escavações em antigas explorações de ouro do Complexo Mineiro Romano de Mina da Presa e Covão do Urso, situado no concelho de Penamacor.

Estes trabalhos irão permitir conhecer toda a estrutura do território e como decorria a vida quotidiana, durante a ocupação romana.

Pela primeira vez, haverá uma datação directa e precisa, em toda a antiga Lusitânia, de minas romanas, sendo que o Complexo Mineiro é um testemunho notável da atividade mineira romana de extração de ouro no nordeste da província romana. Para já, os trabalhos estão a ser realizados em duas explorações mineiras de um conjunto de explorações mais abrangente do Rio Erges e Baságueda.

Estas explorações funcionavam com depósitos de água que, neste caso, foram cortados transversalmente para obter uma datação dos diferentes níveis que o compõem, através da retirada de matéria orgânica datada por C14. Além da datação das minas, que será anunciada no II Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor, uma análise polínica irá permitir, igualmente, perceber a estrutura paleoambiental daquela região, ou seja, que tipo de cultivo se registava à data, se havia gado, que tipo de arvoredo predominava, entre outras coisas. Além destas escavações, foi realizada uma outra, num antigo acampamento romano de carácter temporário e que foi sendo destruído com o avanço da mina. Este acampamento foi, provavelmente, estabelecido pelos militares no início dos trabalhos mineiros.

O projeto de estudo das Minas de Penamacor é dirigido por Brais X. Currás (Investigador da Universidade de Coimbra-CEAACP) e por F. Javier Sánchez-Palencia (Professor de Investigação do Consejo Superior de Investigaciones Científicas – CSIC). Este projeto enquadra-se no projeto Aurifer Tagus, que visa o estudo da exploração das minas do ouro durante a época romana na Lusitânia, contando com financiamento dos Proyectos Arqueológicos en el Exterior, do Ministério de Cultura do Governo Espanhol. Enquadra-se, igualmente, no projeto de Pós-Doutoramento de Brais X. Currás e integra o projeto CORVS do Ministério de Ciência de Espanha, e do projeto IGAEDIS, dirigido pelas Universidades de Coimbra e Nova de Lisboa. A Câmara Municipal de Penamacor é parceira da iniciativa, resultado do trabalho que o Município tem vindo a desenvolver no âmbito da valorização e conservação dos Geossítios que foram identificados à data da integração deste território no Geopark Naturtejo, que integra a rede de geoparques mundiais da UNESCO.