‘Caos e Ritmo’ marca 8ª edição dos Encontros para Além da História

Publicidade

Os Encontros para Além da História estão de volta ao Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) a partir das 15h00 do próximo dia 18 de Janeiro. Para que nos encontremos e giremos (especialmente) em torno da admirável obra do filósofo José Gil, ‘Caos e Ritmo’, para pensar os sortilégios e as tensões da criação num mundo ameaçado pelo fantasma da extinção. A edição dos Encontros deste ano conta com as participações de António Poppe, Alexandra Lucas Coelho, Catarina Santiago Costa, Eglantina Monteiro, Francisco Janes, Hugo Canoilas, Luís Quintais, SKREI, Tomás Cunha Ferreira e Domenico Lancellotti e de todos aqueles que aceitem o desafio de aqui se encontrar. A entrada é livre até ao limite da capacidade da Black Box do CIAJG.

Estamos em contagem decrescente para nos reunirmos (e ligarmos) uma vez mais numa espécie de espaço-tempo suspenso, numa reflexão e imaginação colectiva condimentada com uma combinação de várias disciplinas artísticas e autores de diferenciados campos do conhecimento e diversas formas de expressão artística. Como quem diz, num tempo decrescente para mais uma edição dos Encontros para Além da História no CIAJG, em Guimarães. Numa conjugação de várias disciplinas artísticas, Nuno Faria imaginou uma coreografia em torno de palavras, sons e movimentos.

Tendo como plano de base o livro ‘Caos e Ritmo’, de José Gil, estes Encontros fazem-se com as palavras, objectos, gestos e imagens de António Poppe, Alexandra Lucas Coelho, Catarina Santiago Costa, Eglantina Monteiro, Francisco Janes, Hugo Canoilas, Luís Quintais, SKREI, Tomás Cunha Ferreira & Domenico Lancellotti. A entrada é livre, apenas limitada à capacidade da Black Box do Centro Internacional das Artes José de Guimarães.

Estes Encontros de carácter anual criados no seio do programa conceptual e curatorial do CIAJG – como forma de expandir e mapear as forças, a potência, assim como os limites, as transgressões e as fragilidades da ação do Centro – têm vindo a desconstruir os protocolos e os formatos de instâncias como a conferência ou a exposição, expandindo as possibilidades performativas, poéticas, musicais e políticas do encontro enquanto momento único de partilha, de escuta e de reflexão. Desde 2017 que o programa dos Encontros Para Além da História vem assumindo um formato que se configura como um desenho cénico realizado no ar — curadorias-coreografias no limiar entre a cultura material e imaterial, entre o corpo, a palavra e a obra enquanto objecto –, decorrendo na Black Box do CIAJG com a duração aproximada de quatro horas, com intervalo.

Depois de abordar os universos criativos de Herberto Helder (2017) e Georges Bataille (2018) e de propor uma reflexão sobre a fratura em que se constituiu o museu no contexto do projeto colonialista europeu (2019) – tendo como horizonte e metáfora o incêndio que destruiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro –, os Encontros para Além da História visitam a extraordinária obra do filósofo José Gil, ‘Caos e Ritmo’, para pensar os sortilégios e as tensões da criação num mundo ameaçado pelo fantasma da extinção. Ar, sopro, palavra, em flutuação constante neste Caos e Ritmo que invade o CIAJG nesta 8ª edição que antecipa também a entrada em cena, no próximo mês de Março, da exposição Caos e Ritmo, mostra que serve de mote para uma reflexão encantada e desencantada, poética e política, sobre o lugar do homem e, em particular, da criação artística, desenhando um círculo que enuncia um regresso a ‘Para Além da História’, exposição que fundou o Centro Internacional das Artes José de Guimarães em 2012.

De lembrar ainda que as exposições ‘Plant Revolution!’, ’Geometria Sónica’ e ‘Júlio Fernandes da Silva’ permanecerão patentes até 16 de Fevereiro no CIAJG. Recorda-se ainda que neste espaço é possível realizar visitas orientadas e oficinas criativas ao longo de todo o ano, sujeitas a marcação através de telefone 253424700 ou e-mail mediacaocultural@aoficina.pt. O CIAJG encontra-se aberto de terça a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00. Aos domingos de manhã, a entrada é gratuita.