“Monte habitado: viver no Castro de Santa Luzia há 3000 anos” é a nova exposição do Museu do Quartzo

Publicidade

Mostra apresenta pela primeira vez achados arqueológicos com quase 40 anos, em depósito no Polo Arqueológicos de Viseu, entre outras peças dos séculos XI a VIII a.C.

Inaugurou uma nova exposição no Museu do Quartzo – Centro de Interpretação Prof. Galopim de Carvalho. “Monte habitado: viver no Castro de Santa Luzia há 3000 anos” apresenta, através de objetos arqueológicos descobertos por grandes arqueólogos e historiadores viseenses como João Inês Vaz, Celso Tavares da Silva e Alberto Correia, o modo de vida da comunidade que viveu no Monte de Santa Luzia entre os séculos XI e VIII a.C..

Esses achados, guardados sem estudo ou valorização específica há quase 40 anos, estão agora a ser objeto de divulgação, numa parceria entre o Polo Arqueológico de Viseu e o Museu do Quartzo.

A exposição apresenta, ainda, objetos cedidos pelo Museu Nacional Grão Vasco, como um molde em pedra e um escopro de bronze, provenientes do Monte de Santa Luzia, assim como um machado de bronze, de proveniência desconhecida, testemunhos da capacidade tecnológica das comunidades deste período.

“Esta exposição é uma viagem com 3000 anos e levanta o véu sobre uma das mais antigas e importantes ocupações humanas em Viseu. É também um pretexto para uma redescoberta da história e do valor paisagístico e natural singular do Monte de Santa Luzia”, apontou o Vereador da Cultura e Património da Câmara Municipal de Viseu, Jorge Sobrado, no momento da inauguração.

As peças patentes nesta nova mostra são representativas do período de tempo em que o Monte de Santa Luzia foi ocupado por uma comunidade que já dominava a tecnologia da metalurgia do bronze e que ali implantou a sua aldeia, rodeada por uma muralha.

Entre outras curiosidades, “Monte habitado: viver no Castro de Santa Luzia há 3000 anos” mostra-nos, em detalhe, as técnicas utilizadas para produzir e trabalhar o bronze e para decorar um tipo de cerâmica característico desta época, que ficou conhecida como “Cerâmica de Baiões/Santa Luzia”, em alusão aos dois locais onde foi descoberta.

Nos primeiros 3 dias, a exposição já recebeu cerca de 350 visitantes. Estará patente pelo menos até fevereiro de 2021 e a entrada é gratuita.