XIV Feira de Doçaria Conventual de Figueiró dos Vinhos

Publicidade

O Convento de Nossa Senhora do Carmo dos Carmelitas Descalços de Figueiró dos Vinhos vai ser palco da XIV Feira de Doçaria Conventual, entre os dias 1 e 3 de novembro.

Num espaço de finais do séc. XVI, que inspira à imaginação de todos, a edição de 2019 presenteará os seus visitantes com workshops, arte musical e teatral e uma ampla diversidade de excelentes doces conventuais e licores trazidos pelos doceiros de Abrantes (Pastelaria Tágide Gourmet), Alcobaça (Casa dos Doces Conventuais), Alcobaça (Abadia de Alcobaça), Aveiro (Ovos Moles de Aveiro), Caldas da Rainha (Pastelaria Java), Cernache do Bonjardim (Pastelaria Império), Ovar (Pão de Ló de Ovar Flôr de Liz), Évora (Confeitaria Conventus), Arega (Quinta Fonte da Vida), Figueiró dos Vinhos – Confeitaria Santa Luzia) e Tentúgal (O Afonso).

A esperada abertura será pelas 9h30 da manhã, logo no primeiro dia de novembro, sendo a sua tarde adornada pelo Concerto da Camerata do Orfeão de Leiria, que terá lugar pelas 15h30 nos Claustros do Convento.

A música voltará a estar presente neste segundo dia do certame, pelas 17h00, com João Gil Quinteto, uma banda com instrumentação típica do jazz dos anos 60, composta por músicos portugueses e espanhóis, conduzida pelo baterista figueiroense João Gil.

O domingo de 3 de novembro, dia de encerramento da XIV Feira de Doçaria Conventual de Figueiró dos Vinhos, será marcado pela encenação teatral protagonizada pela equipa do Museu e Centro de Artes do concelho. Intitulada “Uma Doce Despedida”, a peça abordará a história do convento e do convite de António de Vasconcellos a Malhoa para dar o seu nome ao Pão-de-Ló produzido pela sua fábrica de doces conventuais. O convite feito foi, amavelmente, recusado pelo pintor por acreditar que tal iguaria haveria de ser famosa como sendo “o Pão-de-Ló de Figueiró dos Vinhos”, o que se veio a concretizar, persistindo até aos dias de hoje.

 A tradição dos doces conventuais de Figueiró dos Vinhos remonta a meados do séc. XVI, mais propriamente a 1540, aquando da fundação do Mosteiro de Nossa Senhora da Consolação, vulgo Mosteiro de Santa Clara de Figueiró dos Vinhos, e da vinda de freiras doceiras, sobretudo oriundas do Convento de Santa Clara de Coimbra. Nos dias de hoje, poucos são os vestígios dos dois mosteiros figueiroenses, permanecendo apenas, como lembrança desta era, a conhecida Fonte das Freiras e parte do edificado do Convento de Nossa Senhora do Carmo dos Carmelitas Descalços, fundado em 1598.

A Feira de Doçaria Conventual, realizada no único Convento, ainda, existente no concelho é, assim, uma exaltação a esta época e às iguarias conventuais, de todo o país, que perduraram no tempo.