Um Festival de “pontes”

Publicidade

“Queremos fazer pontes entre a cultura musical brasileira e a portuguesa, mas queremos, sobretudo, fazer pontes entre alunos, professores e todos os amantes da Percussão, uma espécie de um novo mundo, dentro do vasto mundo da Música” – é assim que Tiago Ferreira, director artístico descreve, em poucas palavras, o primeiro Festival de Percussão de Amarante. Um evento organizado pelo CCA – Centro Cultural de Amarante Maria Amélia Laranjeira que quer trazer até à princesa do Tâmega alunos de Escolas de Música de todo o país, apresentando, para tal, um cartaz com artistas do outro lado do Atlântico.

É o caso de Leandro Lui, percussionista orquestral, clássico, erudito e baterista. Lançou um conjunto de três livros e vai apresentá-los em Amarante. Haverá ainda espaço para estreia internacional de obras, como é o caso do Concerto com “Pocket Duo + Hélvio Mendes”, logo no dia de estreia do Festival.

No total, serão três dias dedicados à Percussão, promovendo a partilha de conhecimento através de profissionais do ramo da percussão e, ainda, a troca de experiências entre alunos de diferentes Escolas de Música do país, através de workshops, oficinas, apresentações e concertos. A Academia de Música de Cantanhede e a Academia de Música de Vilar de Paraíso estarão em destaque num encontro onde haverá ainda oportunidade para explorar o “Atelier Musical de Loop Station” com o Laboratório de Investigação da Universidade de Aveiro.

“Transportar musicalmente o público para diferentes partes do globo” é um dos principais propósitos deste Festival que, apesar de estar ainda a lançar-se, aposta já em grandes nomes, sempre a pensar em oferecer a melhor oportunidade possível aos alunos.

Ao longo dos três dias de Festival e “a avaliar pelas inscrições que já temos vindo a receber”, estima-se que várias dezenas de alunos e professores rumem a Amarante. Recorde-se que o CCA promove há 5 anos consecutivos o Festival Internacional de Guitarra de Amarante e por isso, a aposta agora passa pela “diversificação, mostrando aos alunos diferentes escolhas e diferentes realidades musicais”, menciona Taí Laranjeira, director executivo do CCA. “Com muito gosto e empenho decidimos organizar mais um Festival que esperamos, se revele um projecto vencedor”.