Maratona de Leitura destaca literatura africana de língua portuguesa

Oitava edição decorre entre os dias 4 e 6 de Julho no concelho da Sertã, com a presença de vários escritores africanos e portugueses.

Publicidade

A literatura africana de língua portuguesa é o tema em destaque na oitava edição da Maratona de Leitura, que decorre entre os dias 4 e 6 e Julho, no concelho da Sertã. Está já confirmada a presença de diversos escritores, designadamente Germano Almeida (Prémio Camões 2018), Ondjaki, Mbate Pedro, Fernando Dacosta, Dulce Maria Cardoso, Goretti Pina, Valter Hugo Mãe, Abdulai Silá, Lopito Feijóo, Gonçalo Cadilhe, entre muitos outros.

Esta é a primeira vez que a Maratona de Leitura decorre ao longo de três dias, “uma decisão que vem ao encontro da necessidade de expansão deste evento, o qual tem crescido de forma sustentável nos últimos anos”, explicou José Farinha Nunes, presidente da Câmara Municipal da Sertã.

Apesar deste aumento no número de dias, a matriz identitária da Maratona de Leitura “não sofre alterações”, mantendo-se, por exemplo, a já icónica maratona de 24 horas a ler em voz alta entre as 0 e as 24 horas do dia 6 de Julho (sábado).

O programa desta edição está praticamente definido, compreendendo várias novidades em relação ao ano anterior. “Vamos ter novos eventos em locais improváveis do concelho da Sertã”, informou José Farinha Nunes, que acrescenta: “Vamos também continuar a apostar nas Festas na Aldeia, nos passeios literários, nos encontros com escritores, em workshops e na realização de diversos espectáculos, que têm o condão de dar escala à Maratona de Leitura”.

Sobre a escolha do tema para esta edição, o presidente da Câmara Municipal da Sertã justificou a decisão com o facto de “a literatura africana de língua portuguesa estar a afirmar-se, cada vez mais, no contexto literário internacional, sendo relevante lançar um olhar mais amplo sobre esta escrita e os seus escritores, não olvidando, porém, os que não sendo africanos usaram este continente como fonte de inspiração”.

José Farinha Nunes refere ainda que “a lusofonia é uma realidade muito presente na sociedade portuguesa. As influências estão por todo o lado e a Maratona de Leitura não pode ser indiferente a essa dinâmica. Mas na lusofonia que agora celebramos escolhemos o continente africano e a sua interculturalidade. Importa pois divulgá-la e dar-lhe destaque, pelo que não vamos resumir-nos à literatura, mas também dar visibilidade a outras manifestações culturais como a música, pintura, dança ou gastronomia”.

O leque de escritores presentes nesta oitava edição “reflecte também esta aposta na literatura africana, pois optamos por trazer alguns dos nomes mais sonantes da actualidade, como o recente Prémio Camões 2018, Germano Almeida, ou os consagrados Ondjaki, Olinda Beja, Lopito Feijóo e Abdulai Silá. A nova vaga de escritores está também representada, através de Mbate Pedro e Goretti Pina”, informou Ana Sofia Marçal, responsável pela Biblioteca Municipal Padre Manuel Antunes, que coordena a Maratona de Leitura.

No campo dos escritores portugueses, “voltamos a contar com um leque de excelentes nomes, como Dulce Maria Cardoso, Valter Hugo Mãe, Gonçalo Cadilhe, Fernando Dacosta, Filipa Martins ou Beja Santos”, referiu Ana Sofia Marçal, que chama também a atenção para “a presença de vários escritores e artistas com raízes no concelho da Sertã, como é o caso de Joana Lopes, Miguel-Manso, Pedro Ferrão, J-K, Marco Figueiredo ou Miguel Calhaz”.

Para breve, será apresentado o programa completo da Maratona de Leitura, onde a novíssima Biblioandante – Biblioteca Itinerante da Sertã será também um dos grandes destaques, sobretudo no já habitual encontro de bibliotecas itinerantes que decorre no âmbito deste evento.