Aline Frazão abre ciclo que põe música em diálogo com a arte

Publicidade

Aline Frazão é angolana e na sua música cabe certamente o semba, mas também a morna de Cabo Verde e a bossa do Brasil, num cruzamento que dá a esta compositora um lugar particular. Estas influências são bem evidentes em Dentro da Chuva, o seu quarto disco, tido como uma das melhores edições que saíram em Portugal no ano passado.

A cantora e compositora não estará sozinha neste concerto em Guimarães, marcado para a Black Box do CIAJG. Consigo toca também um trio composto por Johannes Krieger (trompete e flugelhorn), Mayó (baixo) e Ndu (percursão).

Este concerto inaugura Terra, um ciclo de programação de músicas do mundo, pensado para dialogar com a colecção permanente do CIAJG. As peças de arte africana, chinesa antiga e pré-colombiana reunidas por José de Guimarães e expostas neste museu são a inspiração para a programação.

A escolha de Aline Frazão deve-se precisamente ao facto de a artista ser de Angola e ter sido nesse país que José de Guimarães iniciou a sua carreira como artista plástico reconhecido internacionalmente.

O ciclo Terra prolonga-se até Novembro e por lá vão passar Otim Alpha (28 de Setembro), em estreia absoluta em Portugal, e Zulu Zulu (23 de Novembro).

O projecto Otim Alpha pegou na música tradicional do Norte do Uganda, o Acholi, transformando-a num novo género, uma versão híper frenética e electrónica, crismada como Acholitronix.

Os Zulu Zulu são uma banda baseada em Palma de Maiorca, em Espanha e, apesar de criarem a partir da Europa, fazem-no com o olhar a apontar outras latitudes – do Mediterrâneo a África.

Criaram um universo musical próprio e também uma iconografia que os distingue, que é quase teriantrópica. Têm concerto marcado para 23 de Novembro e passarão a semana anterior em residência artística no Centro de Criação de Candoso, preparando novo material que será estreado em Guimarães.