MARGEM, de Victor Hugo Pontes

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento. Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. CCB . 22, 23 E 24 FEV . 11H00 E 18H00 . PEQUENO AUDITÓRIO

Publicidade

MARGEM tem como inspiração o romance de 1937 de Jorge Amado, Capitães da Areia, que retrata um grupo de crianças e adolescentes abandonados que vivem nas ruas de São Salvador da Baía. Oitenta anos depois da publicação do livro, Victor Hugo Pontes questiona quem são os novos capitães da areia, inspirando-se na realidade social destas crianças, consciente de que nem sempre há finais felizes. Numa ideia de teatro documental, e em colaboração com Joana Craveiro, este projecto é alicerçado num trabalho junto de jovens que continuam a lutar pela sua liberdade.

Quem são estas pessoas que são colocadas à margem, e quando é que essa marginalização começa? Na casa de partida da vida, temos todos as mesmas hipóteses ou alguns partem para a luta já em défice? Há formas de quebrar isso? Quais? A sério? De certeza? Será realmente admirável o mundo novo que conseguimos construir com todos os nossos ideais de igualdade para todos?