Caminha regressa à Idade Média

Publicidade

Caminha regressa à Idade Média de 24 e 28 de Julho, com a promoção de mais uma edição da Feira Medieval. Subordinada ao tema “CAMINHA MONÁSTICA”, esta edição promete algumas novidades. O programa da Feira Medieval de Caminha é conhecida como uma das melhores feiras medievais do país.

“O que é que nos temos vindo a fazer nos últimos anos, é tentar chamar a atenção para aquilo que está na génese desta feira: o contexto histórico da vila de Caminha, mas também do Município de Caminha, por isso, envolvemos as juntas de freguesia, a escola” referiu Miguel Alves, presidente do Município.

O antigo Edifício do Convento de Santa Clara, em Caminha, foi o cenário escolhido para a apresentação da programação da Feira Medieval intitulada “Caminha Monástica”. O momento contou com a presença de Miguel Alves, presidente da Câmara Municipal de Caminha, Paulo Torres Bento, professor do Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, vereadores da Câmara Municipal e com a participação especial da Minho Dança e da Academia Sénior de Caminha.

Paulo Torres Bento fez o enquadramento histórico da Feira Medieval de Caminha. Recordou que “o concelho de Caminha albergou ao longo da sua história secular, com destaque para a época medieval, diversas comunidades monásticas, masculinas e femininas.

Do primevo Mosteiro de São João de Arga, beneditino, de fundação incerta em inícios do século XII, aos conventos franciscanos na vila-sede do município, Santa Clara (1571) e Santo António (1618) — este último prosseguidor do Convento de Santa Maria da Ínsua (1392) —, sem esquecer o mais recente convento das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras (1898), que subsiste a meia-encosta de Santo Antão.  

O mundo monástico, apesar de traduzir na origem uma opção de recolhimento espiritual e de fuga ao mundo, evidente nos locais isolados e inóspitos dos primeiros cenóbios, de que a Serra de Arga e a ilha da Ínsua são bons exemplos, evoluiria depois para uma relação mais próxima do século. Para além das conexões económicas — dos produtos da terra cultivados nas suas cercas à exploração dos frutos do mar nas camboas e mexilhoeiras —, a caridade e a assistência religiosa, o magistério das letras e a prestação de cuidados de saúde, constituíram-se como fortes elos de ligação entre regulares e populações locais. 

Os conventos de Caminha foram ainda albergue de peregrinos a caminho de Santiago de Compostela — alguns notáveis, como o rei D. Manuel I, em 1502, ou o príncipe italiano Cosme III de Médici, em 1669 — e, à imagem de tantas outras localidades conventuais, alfobre de manjares e doçarias, como os “deliciosos papos de anjo ou pastéis de Santa Clara”, que perduraram até finais de oitocentos.

Receitas esquecidas, mundos perdidos, resta hoje da Caminha Monástica do passado a sua rica e fecunda história, estudada em recolhimento nos arquivos ou celebrada em festa nas ruas” – Departamento de Ciências Sociais e Humanas — Grupo de História Agrupamento de Escolas Sidónio Pais, Caminha.